O Poder da Frequência 432 Hz na Mente e no Corpo

shutterstock_201594233

Vivemos em um mundo tomado de informações sonoras: são melodias, ruídos e timbres infinitos. Continuamente temos algum tipo de trilha sonora que nos acompanha, e essas informações acústicas contribuem diretamente com o nosso desempenho cerebral. É interessante, portanto, usar esses sons para incitar o nosso cérebro de maneira positiva, usando a sonoridade como estratégia a favor do nosso corpo e da nossa mente.

O som é uma vibração, que tem uma atividade dinâmica e possui uma frequência (quantidade de vibrações por segundo). A frequência 432 Hz vai além das ondas, ela se equilibra com a nossa biologia, harmonizando as células do nosso corpo. E muito mais que isso, ela é composta por proporções matemáticas encontradas na natureza, que tem o poder de estimular a sincronização dos hemisférios cerebrais.

O Poder da Frequência 432 Hz

A frequência 432 Hz harmonizada com a música causa um efeito tranquilizante e, em muitas situações tem uma ação curativa. Isso, porque ela ativa e eleva as atividades do hemisfério direito do cérebro, lado responsável pela imaginação e criatividade, o que eu chamo de Self 2, em conjunto com o hemisfério esquerdo, lado racional, o Self 1. Já ouvimos falar várias vezes como é relevante o contato do homem com a natureza, a importância dessa conexão para saúde nos aspectos: físico, emocional e mental – muitos até usam como método remediativo e atingem a cura que precisavam.

Há uma explicação lógica para isso; os maiores estudiosos da música acreditam que os sons da natureza, do mar, da cachoeira, dos pássaros têm o padrão sonoro mais harmonioso encontrado até hoje e, classificam a frequência 432 Hz, como sendo a sintonia mais perfeita. Ela possui o poder de afetar nossas mentes, nossos corpos, nossos pensamentos, o lugar onde vivemos e consequentemente, a nossa sociedade.

A frequência natural de 432 Hz atinge profundamente a nossa consciência e o grau das células de nossos corpos. Ao escutar sons nessa frequência começa a surgir muitas alterações no nosso corpo; a consciência se expande alcançando um nível maior de percepção e controle de pensamento.

Quanto maior a possibilidade de conexão com você mesmo, com seus sentimentos, sonhos, desejos, concepções, tristezas, alegrias, julgamentos e planos, todas as áreas da sua vida passa a ser percebidas de outro ponto de vista, possibilitando uma nova ótica de si e do mundo, permitindo o início de mudança para um mindset progressivo, lembrando que o pensamento é o meio que constrói a sua realidade.

O DNA e os átomos começam a acompanhar a razão áurea da natureza, o chamado PHI, o número 1.618; considerado o mais perfeito do mundo. Sua forma está representada como componente básico da natureza. As dimensões são perfeitas, que se encaixam com exatidão nas plantas, animais e seres humanos, Leonardo da Vince usou e comprovou em suas obras essa proporção ideal. Imagine o poder que essa frequência tem sobre nosso corpo e nossa mente, modificando a forma nossas células na proporção mais exata e perfeita já encontrada até hoje.

Onde Encontramos a Frequência 432 Hz

Podemos encontrar a frequência 432 Hz e em harmonia com:

  • No absoluto funcionamento cerebral (sincronia entre os dois hemisférios),
  • No coração humano (ritmo cardíaco),
  • Na frequência de aumento do DNA,
  • Na frequência fundamental da Terra, 8hz – ressonância de Schumman.
  • Na velocidade da luz.

A frequência 432 Hz permite que o cérebro se torne mais ativo e vivo em sua potencia máxima e expande expressivamente a carga emocional. O Self 2 libera os bloqueios de energia, atingindo o uso elevado da mente com uma consciência ampliada. Ao ativar o cérebro com algum som em 432 Hz ele chega ao oitavo Hz (o estado alfa das ondas cerebrais) seu estado máximo, momento em que os nossos dois processadores, Self 1 e Self 2, sincronizam e funcionam de modo igual. Atingindo a superconsciência, que nada mais é que o reconhecimento e a máxima percepção de si em um curto período de tempo, algo que levaria uma duração maior para entender que é possível perceber, aprender e reconhecer em uma curta duração.

Como podemos perceber os sons e a frequência que eles são sintonizados agem profundamente em todo nosso sistema, desde o físico até na nossa mente. Conhecendo essa possibilidade de aumentar a sua frequência cerebral e elevá-la ao nível máximo de sua capacidade, deixo o convite para você estimular o seu cérebro e impulsionar a sua mente e seus talentos a uma velocidade intensa e ativa com essa ferramenta poderosa que é a frequência 432 Hz.

Vá além do que imagina ser, há muito que descobrir despertar dentro de você, ative as suas reservas, cocrie, descubra e assuma a imensidão infinita de possibilidades que você é. Permita-se ir além!

 

Por: José Roberto Marques – https://www.jrmcoaching.com.br/

 

Você nunca será criticado por alguém que esteja FAZENDO mais do que você…

apontar o dedo

Você já parou pra pensar e observar que quando se propõe a fazer algum projeto grande, inovador, diferente, e que quase ninguém acredita que uma pessoa consiga realizar, ao observarem o crescimento do projeto aumentam o numero de críticos que acham que você não tem capacidade para realizá-lo? O pior é e além de desacreditarem, começam uma “corrente” de torcedores do “contra”, e o proposito claro deles é que você DESISTA do seu projeto.

Na verdade, nesse mundo, existem dois tipos de pessoas: os que acreditam, colocando a mão na massa e fazem e, os que apenas olham os outros fazerem. Percebemos claramente que há dois sentimentos dos que criticam: Ciúmes e frustração, pois sua capacidade incomoda muito aqueles que NADA FAZEM.

Neste caso, você tem duas alternativas a seguir: Ouvir o que os outros fazem e parar com o projeto ou, ouvir a sua intuição se fazendo de surdo às criticas e ser um conquistador.
Pra não te desanimar, esses exemplos e perseguições sempre rondarão a vida de vencedores, olhe só o exemplo de Noé, Deus deu um grande projeto para ele EXECUTAR, construir um grande barco “arca” confiando assim esse projeto a ele. Deus ordenou que a arca medisse cerca de 150 m de comprimento, 25 m de largura e 15 m de altura, semelhante a um navio médio de carga atual.
Todos acharam que era uma loucura, e aqueles que nada faziam tentavam desmotivá-lo e fazer que desistisse.

A história bíblica mostra que ele seguiu firmemente no propósito, até que o improvável aconteceu, as águas das chuvas inauguraram seu projeto.

Acredito que ele não era um engenheiro naval, e não tinha conhecimentos para tão grande desafio, porém Deus acreditava nele, e achava que ele era CAPAZ de executar.
Portanto, se você tem sonhos a realizar, acredite em seu potencial, se o criador colocou um desejo em seu coração, é porque ele confia em suas capacidades.

Que voz você prefere escolher para seguir e influenciar suas decisões, a da sua intuição ou dos críticos de plantão? Percebemos aqui uma dura realidade: Você nunca será criticado por alguém que esteja fazendo Mais do que você. Você só será criticado por alguém que esteja fazendo MENOS.

Por: EQUIPE SENSÍVEL MENTE

QUARESMA: QUANDO ABREM OS PORTÕES DO UMBRAL

chacra 9

Ao contrário do que muitos pensam, a quaresma não é uma data importante apenas para a Igreja Católica. Outras comunidades Cristãs, como: Calvinistas, Luteranas, Anglicanas, Ortodoxas, também a adotam, conforme seus preceitos.

Curiosamente, não se trata apenas de um período de purgação espiritual simbolizado nos 40 dias em que Jesus passou no desertou ou Moisés no monte Sinai. Trata-se de um período com fortes implicações espirituais, cuja tradição remonta, pelo menos, 1600 anos.

Asseguram-nos os espíritos que, neste período, há uma profunda agitação na atmosfera Umbralina, o que faz com que muitos espíritos consigam vir à superfície da Terra com muita facilidade.

Embora existam espíritos responsáveis por vigiar os “canais de saída”, nesse período, a agitação é tão grande que, mesmo eles, não conseguem impedir a passagem dessas entidades. É quando uma imensa quantidade de espíritos sofredores e perturbadores ganham livre acesso ao mundo dos homens.

O que se passa, então, é um verdadeiro caos: cada um segue por conta do seu interesse. Alguns, viciados, correrão para saciarem-se; outros, perturbados, buscarão seus familiares; alguns, vingativos, o que tanto anseiam e por aí vai.

Com tantas entidades perturbadoras perambulando livremente, a chance de cairmos em sentimentos nocivos que nos farão mal é muito grande. Desavenças são acirradas. Vinganças são alimentadas. Ódios são cultivados. É preciso ter muita firmeza de cabeça.

Nesse período, mais do que qualquer outro do ano, temos que ter cuidado redobrado com nossos pensamentos e sentimentos, pois com imensa facilidade, poderemos ser alvo das investidas inferiores. Orai e Vigiai, em dobro… Em triplo!

É provável, contudo, que a maior parte das pessoas não perceba todo esse perigo. Entretanto, os médiuns percebem, com facilidade.

As próximas três quaresmas, até o ano de 2019, serão intensamente mais fortes que as anteriores. São os momentos finais, agônicos, de uma sociedade, encarnada e desencarnada, prestes a se renovar ou se atrasar, conforme as escolhas feitas.

Este é um período de intenso trabalho, de redobrada caridade e auxílio aos encarnados e desencarnados. Nenhuma casa Espírita  deve fechar as portas.

Vamos todos concentrar nossos esforços no bem, na caridade, no amor ao próximo. Refugiarmos na oração e na vigília constante de nossos pensamentos e atos e nada teremos a temer.

 

Fonte: Estudo Espiritualista.

Via: vinhas-de-luz.blogspot.com/2017/03/quaresma-quando-abrem-os-portoes-do.html

A História do Carnaval e suas Origens

carnaval_c1

A história do carnaval tem suas origens na Antiguidade, sendo uma festa tradicional e popular que chegou ao Brasil durante a colonização.

Carnaval é a festa popular mais celebrada no Brasil e que, ao longo do tempo, tornou-se elemento da cultura nacional. Porém, o carnaval não é uma invenção brasileira nem tampouco realizado apenas neste país. A História do Carnaval remonta à Antiguidade, tanto na Mesopotâmia quanto na Grécia e em Roma.

palavra carnaval é originária do latim, carnis levale, cujo significado é retirar a carne. O significado está relacionado com o jejum que deveria ser realizado durante a quaresma e também com o controle dos prazeres mundanos. Isso demonstra uma tentativa da Igreja Católica de enquadrar uma festa pagã.

Na antiga Babilônia, duas festas possivelmente originaram o que conhecemos como carnaval. As Saceias eram uma festa em que um prisioneiro assumia durante alguns dias a figura do rei, vestindo-se como ele, alimentando-se da mesma forma e dormindo com suas esposas. Ao final, o prisioneiro era chicoteado e depois enforcado ou empalado.

O outro rito era realizado pelo rei nos dias que antecediam o equinócio da primavera, período de comemoração do ano novo na região. O ritual ocorria no templo de Marduk, um dos primeiros deuses mesopotâmicos, onde o rei perdia seus emblemas de poder e era surrado na frente da estátua de Marduk. Essa humilhação servia para demonstrar a submissão do rei à divindade. Em seguida, ele novamente assumia o trono.

O que havia de comum nas duas festas e que está ligado ao carnaval era o caráter de subversão de papéis sociais: a transformação temporária do prisioneiro em rei e a humilhação do rei frente ao deus. Possivelmente a subversão de papeis sociais no carnaval, como os homens vestirem-se de mulheres e vice-versa, pode encontrar suas origens nessa tradição mesopotâmica.

As associações entre o carnaval e as orgias podem ainda se relacionar às festas de origem greco-romana, como os bacanais (festas dionisíacas, para os gregos). Seriam festas dedicadas ao deus do vinho, Baco (ou Dionísio, para os gregos), marcadas pela embriaguez e pela entrega aos prazeres da carne.

Havia ainda em Roma as Saturnálias e as Lupercálias. As primeiras ocorriam no solstício de inverno, em dezembro, e as segundas, em fevereiro, que seria o mês das divindades infernais, mas também das purificações. Tais festas duravam dias com comidas, bebidas e danças. Os papeis sociais também eram invertidos temporariamente, com os escravos colocando-se nos locais de seus senhores, e estes colocando-se no papel de escravos.

Mas tais festas eram pagãs. Com o fortalecimento de seu poder, a Igreja não via com bons olhos as festas. Nessa concepção do cristianismo, havia a crítica da inversão das posições sociais, pois, para a Igreja, ao inverter os papéis de cada um na sociedade, invertia-se também a relação entre Deus e o demônio.

A Igreja Católica buscou então enquadrar tais comemorações. A partir do século VIII, com a criação da quaresma, tais festas passaram a ser realizadas nos dias anteriores ao período religioso. A Igreja pretendia, dessa forma, manter uma data para as pessoas cometerem seus excessos, antes do período da severidade religiosa.

Durante os carnavais medievais por volta do século XI, no período fértil para a agricultura, homens jovens que se fantasiavam de mulheres saíam nas ruas e campos durante algumas noites. Diziam-se habitantes da fronteira do mundo dos vivos e dos mortos e invadiam os domicílios, com a aceitação dos que lá habitavam, fartando-se com comidas e bebidas, e também com os beijos das jovens das casas.

Durante o Renascimento, nas cidades italianas, surgia a commedia dell’arte, teatros improvisados cuja popularidade ocorreu até o século XVIII. Em Florença, canções foram criadas para acompanhar os desfiles, que contavam ainda com carros decorados, os trionfi. Em Roma e Veneza, os participantes usavam a bauta, uma capa com capuz negro que encobria ombros e cabeça, além de chapéus de três pontas e uma máscara branca.

A história do carnaval no Brasil iniciou-se no período colonial. Uma das primeiras manifestações carnavalescas foi o entrudo, uma festa de origem portuguesa que na colônia era praticada pelos escravos. Depois surgiram os cordões e ranchos, as festas de salão, os corsos e as escolas de samba. Afoxés, frevos e maracatus também passaram a fazer parte da tradição cultural carnavalesca brasileira. Marchinhas, sambas e outros gêneros musicais também foram incorporados à maior manifestação cultural do Brasil.

 

Referência Bibliográfica: PINTO, Tales dos Santos. “História do carnaval e suas origens”; Brasil Escola. Disponível em <https://brasilescola.uol.com.br/carnaval/historia-do-carnaval.htm

 

06 de Janeiro – Dia dos Santos Reis

santo rei
Também conhecido como Epifania do Senhor, hoje é o dia que se celebra os Três Reis Magos, as testemunhas oculares de Jesus recém-nascido, indicados ao caminho por uma estrela muito luminosa.
De celebração eucarística à festa popular, a comemo- ração ao Dia dos Santos Reis veio de Portugal, confundindo-se com o folclórico Folia de Reis ou Reisado. Em termos litúrgicos, a Epifania do Senhor ocorre dois domingos após o Natal, sendo que o Dia de Reis é comemorado em 6 de janeiro. Na Antiguidade, as comemorações natalinas duravam 12 dias, exatamente por ter sido o tempo que os Três Reis Magos levaram para chegar até o Menino Jesus em Belém.
Afinal, quem são esses Três Reis Magos e como surgiu a comemoração?

Embora esses personagens não tenham sido citados em detalhes no Evangelho de São Mateus, o qual aborda o nascimento e infância de Jesus, eles são constantemente associados aos relatos da Santa Natividade e figuras imprescindíveis às comemorações natalinas. O número de 3 não é especificado no Evangelho, mas o 3 (igualmente com os números 7 e 12, são considerados cabalísticos e aparecem diversas vezes nos Evangelhos e no Velho Testamento).

Os Três Reis Magos são: Gaspar, Baltazar e Melquior. Porém, na própria Bíblia, nada se diz sobre a identidade desses supostos reis, o que leva-nos a crer que a história que se formou a partir do relato bíblico é fictícia, tornando-se um relato folclórico. Há estudiosos que acreditam que os supostos três reis sequer eram 3 ou mesmo reis. A suposição em número de três se refere à quantidade de presentes que o Menino Jesus ganhou, que foram a mirra, o incenso e o ouro. Quanto ao título de rei e mago, acredita-se que esses homens eram Sacerdotes do Zoroastrismo, religião fundada na antiga Pérsia. E que esses homens eram versados em Astrologia, por isso foram capazes de identificar uma estrela que naturalmente não fazia parte do mapa estelar que conheciam.

E tendo o conhecimentos de antigas profesias em que se diziam que nasceria um Rei que traria a salvação à Humanidade, os Reis Magos seguiram, primeiro, até o palácio de Herodes, para saber de tal criança divina. Isso apenas fez com que Herodes temesse ser tirado do trono e planejou o assassinato da criança. O que, de fato aconteceu um tempo depois, quando ele ordenou que matassem a todos os bebês meninos de até 2 anos. Foi quando se deu o episódio da fuga para o Egito pela Sagrada Família. Os bebês mortos foram considerados pela Igreja os primeiros mártires de Cristo, chamados de Santos Inocentes, comemorados em 28 de dezembro.

devoção aos Três Reis Magos se iniciou na Idade Média, no século 6. Apenas em 1164 foram tornados Santos e venerados como tal pela Igreja Católica.

A passagem bíblica, um pequeno parágrafo, que faz referência aos Magos é esta:

“Entrando na casa, viram o menino, com Maria sua mãe. Prostando-se, o adoraram; e abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe suas ofertas: ouro, incenso e mirra. Sendo por divina advertência prevenidos em sonho a não voltarem à presença de Herodes, regressaram por outro caminho à sua terra.” (Mateus 2:11-12)

Porém, São Beda foi o responsável por dar maior importância a tais personagens ocultos, ao criar o texto entitulado “Excerpta et Colletanea”, relatando o seguinte:

Belquior era velho de setenta anos, de cabelos e barbas brancas, tendo partido de Ur, terra dos CaldeusGaspar era moço, de vinte anos, robusto e partira de uma distante região montanhosa, perto do Mar Cáspio. E Baltasar era mouro, de barba cerrada e com quarenta anos, partira do Golfo Pérsico, na Arábia 

FOLIA DE REIS OU REISADO

A Folia de Reis ou Reisado é uma festa religiosa que se tornou parte do nosso Folclóre quando, ainda nos primórdios do Brasil Colonial, por volta de 1530, fora trazida pelos Padres Jesuítas, para ser usada como instrumento de catequisação dos povos aborígenes brasileiros e, posteriormente, dos africanos, trazidos como escravos pelos portugueses.

A festividade era uma tradição que ocorria em toda Península Ibérica, sendo originada na Espanha. Consistia de visitações às residências, em que os foliões cantavam e dançavam, representando uma peça que contava sobre a Santa Natividade e os Três Reis Magos. Os anfitriões presenteavam os participantes com dinheiro, comida e bebida.

Hoje, a festa ocorre em todo o território nacional, especialmente nas cidades pequenas do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Espírito Santo, Paraná, Goiás e São Paulo. É considerada, por sua popularidade, de caráter profano-religioso.

Faz parte das comemorações natalinas, que vão de 24 de dezembro até 6 de janeiro. À essas comemorações, são feitos diversos festejos populares Brasil afora, como o Congado, a própria Folia de Reis, o Império do Divino, o Reinado do Rosário e Pastorinhas.

Sendo um verdadeiro Teatro espontâneo a céu-aberto, os foliões representam uma peça através do canto e da dança. Ao iniciar, os chamados pastores e pastores se reúnem em um ponto de encontro a que chamam rancho e de lá parte pelas ruas, indo às casas, tocando viola, reco-reco, rabeca, cavaquinho, pandeiros e outros instrumentos populares, seguindo uma bandeira toda colorida e enfeitada com fitas. Esse cortejo segue de manhã bem cedo, para acordar o povo com cantorias e versos.

A peça segue por partes: abrição da porta; entrada; louvação ao Divino; chamadas do rei; peças de sala; danças; a guerra; as sortes; encerramento da função. E os personagens representados são: Os Reis, o Mestre, o contramestre, Mateus, Catarina, figuras e moleques. De acordo com a região onde acontece a Folia de Reis, esses personagens podem variar, mas todos os foliões vão fantasiados de forma extravagante.

E há quem diga que o Brasil é um país sem Cultura e sem Tradições. E, tão viciados pelos Folclóres de outros países, através do cinema deturpador e da Literatura comercial, com seus vampiros, lobisomens e outros bichos ridículos, não conseguem enxergar a beleza e a extrema riqueza do nosso maravilhoso Folclóre miscigenado, único e incomparável.

OGUM E NANÃ – ORIXÁS REGENTES DE 2019 – O ANO DA SENTENÇA

elementos ogum e nana

Caminhamos para o final do ano de 2018, ano esse que foi regido por Pai Xangô e Mãe Iansã, e pudemos observar que o ano começou um pouco mais lento, porém a partir da metade do ano o tempo nos pareceu ter dado uma acelerada, fazendo assim com que mal percebêssemos que já está quase se findando e se findando com muitos acontecimentos, bons e ruins.

Após uma breve reflexão, podemos perceber o quanto buscamos estar na presença de Deus, nosso Pai Maior e assim tentar trazer mais evolução a nossa caminhada. Será que conseguimos?

Em 2018 passamos vários momentos agradáveis, porém passamos por muitos dias desoladores. Tivemos muitas lições dadas, algumas que podemos compreender e outras que nem entendemos como lição.

E assim o ano de 2018 está quase de partida.

Sonhamos com um ano melhor, desejamos uma nova era, um caminho novo e mais agradável, desejamos novos ensinamentos para buscarmos novos rumos.

Temos a compreensão de que a cada ano que nasce, nasce em nós novas esperanças, mais elevação a nossa fé, mais crença na humanidade, e assim tentamos com tudo isso sonhar mais alto e ter em nossas mãos a possibilidade nova de buscarmos a tão desejada elevação espiritual.

No ano de 2019 o Orixá regente será Pai Ogum, que regerá intensamente por todo ano, tendo como companhia, a partir do mês de junho, a linda e esplendorosa Mãe Nanã Buruquê.

Resumindo e respondendo a pergunta, mais simplesmente, ao ser perguntado qual Orixá vai reger o ano de 2019, podemos certamente dizer Pai Ogum, que será o Orixá dominante desse ano.

O ano de 2019 será um ano de muitas batalhas, lutas intensas e por ser Pai Ogum um Orixá guerreiro, que tem ligação extrema com a guerra e a paz, simbolizando a vitória e todas as conquistas, teremos um ano muito competitivo e só chegará a seu objetivo aquele que realmente lutar, que buscar seu caminho, que tiver atitude par vencer.

Ogum é um grande guerreiro, senhor soberano da Execução da Lei Espiritual, e assim será o ano de 2019, o ano de executar a lei, o ano de cobrar daqueles que erraram a busca do acerto.

2019 será um ano um tanto conservador, mas devemos nos manter na racionalidade, pois o ano nos trará uma impulsividade extrema e assim sendo, devemos ficar afastados de mazelas desnecessárias, evitar a todo custo confusões ou brigas. A humanidade estará um tanto menos tolerante com tudo e com todos.

O ano de 2019 será bem rápido, assim como o segundo semestre de 2018, teremos dias nos parecendo mais curtos e com boa intensidade de frio.

Com a energização de Pai Ogum no ano que vai entrar, devemos evitar agir antes de pensar, principalmente para os filhos desse Orixá, pois 2019 não será um ano muito tranquilo para esses filhos.

Teremos dias intensos, barreiras e obstáculos que deveremos vencer acima de tudo. Teremos fatos em nossa vida que não teremos como adiar, deveremos encarar seja como for, para assim vencer a maratona que será o ano de 2019.

Para os que tiverem decisões a tomar, tome-as, sem pestanejar, pois é isso que Ogum espera de nós: força e atitude.

Devemos nos manter em linha reta, devemos tentar nos colocar longe e fora da ganância e da cobiça que o mundo materialista nos mostra a todo o momento, nos despertar e nos focar nas coisas que acreditamos ser mais importantes para nossa vida e nossa evolução.

Como sabemos, Ogum é um poderoso Orixá, senhor do ferro e do fogo, defensor da lei e da ordem e em 2019 Pai Ogum dará o segmento ao que Xangô começou em 2018, ou seja, a justiça sendo feita, Xangô julga e Ogum executa a sentença, assim será. Para aqueles que foram julgados por Xangô, serão cobrados agora por Ogum, portanto aquele que buscou a paz em 2018 terá a paz em 2019, porém para aqueles que ignoraram a justiça no ano de Xangô pagarão bem caro agora no ano de Ogum.

Teremos em 2019 muitos avanços na tecnologia, muitas descobertas serão feitas, e isso em todas as áreas, o conhecimento estará em alta, e para aquele que buscar o caminho da informação, dos estudos, será agraciado com as bênçãos de Ogum, podendo crescer tanto pessoalmente, quanto socialmente, e para isso devemos batalhar junto ao Orixá guerreiro, e assim sendo, certamente será vitorioso na busca do bem.

Ogum é um justiceiro nato e ele fará muitas verdades aparecerem, os hipócritas serão desmascarados, tanto no âmbito pessoal, profissional e principalmente político.

O ano de Ogum também é muito propício para aberturas de negócios próprios, para busca de novos caminhos, para realizações de sonhos, porém somente para aquelas pessoas que demonstram plena atitude, pois para aqueles que não demonstrarem, o ano vai ser muito difícil, vai ser como se remar contra a maré.

A grande dica na verdade dada por nossas Entidades de Luz é evitar as discórdias, demonstrar atitude, cuidado nas palavras ditas, evitar a intolerância, pois em 2019 as pessoas estarão em autodefesa, buscando cada uma a sua própria visão sobre os fatos do cotidiano, fazendo assim com que a intolerância cresça, dando abertura a perigosos obsessores, que buscam se energizar com as falhas de caráter de todos, além dos vícios de sentimento, entre esses vícios, o principal para o ano de 2019: o orgulho.

A busca de poder dentro da humanidade poderá trazer grandes batalhas e isso será um grande diferencial desse ano.

Foi recomendado precaução com os gastos desnecessários, pois para aquele que não se preveniu no ano de Xangô, poderá ter um ano de Ogum com alguma dificuldade na área de gastos pessoais.

Foi dito que em 2019 teremos muitos desencarnes por ferro retorcido, ou seja, muitos acidentes automobilísticos, aéreos, ou por qualquer tipo de meio de transporte que tenha a ligação do ferro e do fogo.

O ano de 2019, tendo também a influência da vovozinha Nanã Buruquê no segundo semestre, será um ano de reflexão, de cuidados com os familiares, de busca com o próprio ser.

A partir do meio do ano teremos mais serenidade, mais oportunidade para voltarmos atrás em algo que possamos ter errado, seremos mais tolerantes com todos e para aquele que se dedicar a fazer o bem, certamente receberá o bem de uma forma mais intensa.

Contudo, estaremos menos propícios a conversas que não tem muito fundamento, amizades que não se dedicam intensamente, a vida social mais agitada, teremos uma grande vontade de estar em lugares calmos e tranquilos, porém quando não conseguimos esse feito, ficaremos com o humor abalado, podendo até mesmo ficarmos arredios a tudo e a todos.

Na junção de Ogum com Nanã, iremos da guerra a paz no mesmo instante, e assim devemos ter muito cuidado com o que poderemos falar, agir, ou pensar, pois poderemos perder o foco das coisas, deixar a adrenalina da busca de objetivos baixar e assim perdermos muitas coisas, no qual não teremos condições de fazer retornar para o caminho devido.

Devemos ficar atentos aos fenômenos da Natureza, fenômenos como enchentes, tufões e terremotos de grandes proporções. A Natureza está acuada, e Ogum sendo Orixá guerreiro estará em combate para auxiliar que ela se defenda de tudo e de todos.

2019 será um ano como dito já, de estabelecermos objetivos, e partir para cima desses objetivos, pois só assim conseguiremos terminar o ano de uma forma agradável, a nós, a quem nos cercam, e ao mundo que pertencemos.

Em 2019 devemos evitar as mazelas, as guerras desnecessárias, os vícios que tanto nos fazem mal, a ociosidade, a falta de objetivo, o orgulho, os maus sentimentos, enfim tudo que vai em desacordo com a força de Ogum e a serenidade de Nanã Buruquê.

Que Deus abençoe nossa caminhada nesse novo ano de muitas lutas, e com muita dedicação, teremos muitas conquistas.

Esperamos que todos os amigos entrem com muita fé nas vitórias pessoais nesse próximo ano.

Que Pai Ogum e a doce Mãe Nanã Buruquê nos deem caminhos de luz nessa nova jornada, e que todos os Orixás e todas as Entidades de Luz nos protejam por todo ano de 2019.

Patacori Ogum!

Saluba Nanã Buruquê!

Que assim seja!

Carlos de Ogum

Via: http://umbandayorima.blogspot.com

O CRISTO UNIVERSAL

 

cristo

O Cristo Universal não é representado apenas pela figura histórica que chamamos de Jesus, já que muitos de nós o compreendem como a suprema expressão da totalidade — do Deus manifesto. O Cristo Universal não está confinado a nenhuma religião. Ao contrário, deve ser compreendido como o potencial máximo que existe em todos os seres. Mas ele só desabrocha naquele que possui completa autocompreensão.
Os Grandes Mestres, aqueles seres que compreendem a si mesmos e que vivem como manifestações do Cristo Universal, apareceram em muitas tradições diferentes em toda a História. Eles demonstraram, na totalidade de seu ser e de seus ensinamentos o caminho para unir o humano ao divino. Este potencial está presente em todo ser. O Cristo Universal é o instrumento através do qual retomamos a conexão com a Fonte primeira. É a graça salvadora que nos liberta da ignorância e da escravidão na roda do renascimento. É a Luz do mundo, que transforma chumbo em ouro através da alquimia do amor puro.
O mistério do Cristo Universal certamente vai além da compreensão humana. Mas, como essa energia cósmica desce até as questões humanas, o exemplo do Cristo é derramado dentro dos recipientes místicos de todas as culturas. Formando a base dos costumes e a história de vários povos, utilizando os materiais culturais disponíveis, a História Única da jornada da alma em direção à união com a Fonte original foi contada através das eras.
Todas as vezes e em todos os lugares em que a escuridão parece cegar as pessoas, sempre que o propósito da existência humana se perde no seu próprio atoleiro, um grande ser iluminado chega mais uma vez para trazer a verdade. Algumas lendas dizem que esses seres vêm do céu como um ato de graça. Outras entendem sua irradiação como o desabrochar do que há de melhor na nossa espécie. Mas, seja qual for o modo como chegam, eles vêm quando são necessários e nos instruem de acordo com o nosso nível de entendimento na época, deixando-nos um legado de ensinamentos que continua a impulsionar a nossa evolução. Tecida nos fatos reais da vida humana de um grande mestre, há uma história que transcende a vida de toda pessoa, pois ela faz parte do modelo do Cristo Universal.
A universalidade dessa História Singular pode ser um desafio a enfrentar quando se foi educado para acreditar que as verdades da própria religião excluem todas as outras. Mas este é um dos dons de nossa época: o acesso à instrução formal e às comunicações globais que nos permitem pesquisar e compartilhar das muitas variações da história em todo o globo terrestre. Seria uma grande perda desprezar uma história porque descobrimos que ela tem contrapartes em diferentes culturas. A força e a verdade dessas muitas histórias do Cristo Universal residem em sua universalidade, não em sua exclusividade. Continuamos contando-as, geração após geração, de cultura para cultura, porque algo em nós ressoa profundamente com as suas verdades acerca de nossa natureza e do modo como podemos reconciliar o humano com o Divino. Por meio delas, encontramos orientação ao confrontar nossas sombras e ao enfrentar as provas e tentações, os perigos e os sacrifícios, ao viver a consciência do Cristo. Não retornamos à totalidade através desta ou daquela religião; retornamos através do Cristo Universal. Os Mistérios ensinavam aos iniciados que nós, primeiramente, entramos no caminho, depois seguimos o caminho e, por fim, nos tornamos o caminho. No Apocalipse está escrito: “Para aquele que supera [domina], construirei um pilar [uma força cósmica] no templo de Deus, e ele não sairá [não encarnará] nunca mais.”
Enquanto vivermos representando a história de Adão e Eva, continuaremos a morrer muitas e muitas vezes. Mas quando vivemos o Cristo dentro de nós, o Buda dentro de nós, quando recebemos a infusão do Espírito Santo, então, como dizia Krishna, somos salvos da “eterna roda da morte e do renascimento”. E, como disse Jesus, ganhamos “a vida eterna”. Esse é o caminho da iniciação.

 

Texto extraído de: As sete Etapas de uma Transformação Consciente, de Gloria Karpinski

NOVAMENTE O NATAL – POR DIVALDO FRANCO

NATAL

 

Embora os problemas complexos e desafiadores destes dias, quando as criaturas humanas estamos em aturdimento e conflitos perversos, lentamente se aproxima a data natalina de Jesus.

De alguma forma, a psicosfera terrestre se modifica e suaves esperanças tomam conta de nossas vidas.

Velhas canções de infância ressoam em nossos sentimentos, páginas de ternura que pareciam esquecidas retornam à nossa memória, a magia dos presépios com figuras de barro ou de porcelana, de madeira ou de marfim nos fazem evocar a noite santa de Belém, enfim, cada um de nós sente o doce fenômeno da Manjedoura, que inaugurou um período novo para a Humanidade.

A grandeza daquele Menino incomparável modificou a História, e, por ser tão extraordinária a Sua vida, não coube nos seus fastos, que passaram a ser narrados antes e depois d’Ele.

No Seu anonimato, vivei em modesta região, Nazaré, na parte baixa de Israel, a Galileia, e quando iniciou o Seu ministério, ofereceu conceitos diferentes dos então existentes, lecionando amor e fraternidade como antes ninguém nunca se atrevera a expressar. Não apenas falou, mas viveu a extraordinária existência de desafios e mudanças sociológicas e psicológicas, que O tornaram modelo e guia para os tempos vindouros.

Ninguém que se compare a Jesus!

Acredita-se que Napoleão Bonaparte é o homem mais biografado da humanidade, no entanto, Jesus o suplanta.

É certo que nem todas as biografias são elogiosas ou místicas, muitas delas são críticas e vulgares, o que é natural, porque todos aqueles que ouvem falar sobre Ele nunca mais são os mesmos: amam-nO ou detestam-nO.

O Seu comportamento moral incomoda os frívolos e os odientos, ainda hoje, e os Seus silêncios perturbam os vaidosos e exaltados.

Psicoterapeuta extraordinário, alcançou o estado numinoso, e convivendo com os miseráveis da época, não se tornou mais um deles, antes os ergueu à dignidade e à vitória sobre a própria sombra.

Não poucas vezes, a Sua mensagem foi deturpada ou adulterada propositalmente, para atender a interesses infelizes de homens e mulheres indignos, de dominadores transitórios e perversos, e mesmo assim, à semelhança do ouro que se destaca no cascalho, as Suas palavras são gemas que libertam das paixões inferiores e proporcionam felicidade sem jaça.

Bastam Suas duas frases irretocáveis aplicadas e vividas no comportamento humano e o mundo se tornará melhor, no qual a vida se modificará: “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo” e “Não fazer a outrem o que não gostaria que lhe fosse feito”.

No próximo Natal, busca reviver as Suas lições e aplicá-las na conduta íntima, doméstica, social e comunitária para que todos sejamos harmônicos e ditosos.

DIVALDO P. FRANCO
Professor, médium e conferencista
___________________

Divaldo Franco escreve no jornal A Tarde – Coluna Opinião – às quintas-feiras (quinzenalmente).

Artigo de Divaldo Franco ➤ Publicado no jornal A Tarde, coluna Opinião, em 13/12/2018

A IMPORTÂNCIA DO SILÊNCIO COMO INSTRUMENTO DA HARMONIA

12877_560746590612620_189396300_n

Como a mente humana, na sua quase totalidade, ainda não é educada, seria prudente deixar que os processos íntimos de cada um permanecessem preservados. Os que escutam, se não têm o hábito de trabalhar com o consciente direito e com irradiação, podem emitir formas de julgamentos, críticas ou conceitos para quem está falando, provavelmente criando para o outro, no plano mental, obstáculos ao caminho de transformação, que deveria ser o mais desimpedido possível. Ademais, a opinião de quem ainda não tem contato consciente com a sua luz interior é sempre uma opinião pessoal, que reflete a experiência que ele próprio teve. É, na melhor das hipóteses, apenas um parecer útil. Nesse campo, portanto, calar pode ser mais oportuno que falar – a menos que dizer algo torne-se uma necessidade real e um instrumento positivo de construção. Nesses momentos críticos, a lei do silêncio deve ter sido trabalhada e assimilada pelo indivíduo que em vidas anteriores se treinou a cumpri-la para que ela pudesse implantar-se.

O significado do silêncio abrange a ausência de críticas e de comentários mentais, condição que se reflete na ação externa, levando o indivíduo a falar o necessário ou o que é de ajuda real para os outros. Enquanto não se sabe calar, não se pode ter a oportunidade de contato com realidades sutis, dado que todos os dados da existência se intercomunicam, e qualquer indiscrição que ocorra em um nível pode produzir desastres em vários outros. Deve-se ter consciência de que uma verdadeira informação só pode ser transmitida se é útil ao trabalho de quem a recebe, ou quando auxilia na construção da harmonia e do amor. O indivíduo que adere ao trabalho de aprofundamento deve ter o discernimento treinado para distinguir a impressão, a intuição, o sentimento ou a premonição, e saber se aquilo percebido é só para ele, para sua própria informação, ou se é para ser transmitido. Mas sua discriminação não deve parar por aí. Em seguida, caso conclua que o assunto é pra ser transmitido, precisará saber quando , de que forma e para quem fazê-lo.

Sem que dele sejam exigidos grandes esforços, o conhecimento lhe trará as soluções. Quando conta com o discernimento, quando tem fé que o melhor acontecerá e quando está atento ao que está falando, sentindo e pensando, o que ele manifestar estará bem para aquele momento. Saber discernir, portanto, é estar atento para o mundo do consciente direito, mundo que não tem fórmulas fixas, mas que indica a atitude correta a ser assumida diante de toda e qualquer situação. Nenhuma força externa desintegradora pode impedir que o indivíduo busque o próprio contato, a menos que ele o permita, a menos que se distraia com ela. Mesmo que tenha reações mais ou menos conscientes, mesmo que sofra ataques dessas forças hostis, mesmo que as circunstâncias cármicas que o cercam sejam desfavoráveis, nada disso precisa pesar no seu trabalho de aprofundamento, pois que este é essencialmente secreto. Se o indivíduo já tem clareza da própria meta espiritual, e se tem consciência da decisão que tomou, nada de negativo pode prevalecer em seu caminho. Grupos e indivíduos que trabalham o aprofundamento cuidam da própria purificação, dado que a lei que a rege está em plena atividade na superfície do planeta Terra nos dias de hoje. Cuidar da purificação é ficar aberto e disponível para a ação dessa lei superior. Agindo, em certos casos, até destrutivamente, ela traz a dissolução de todo e qualquer obstáculo à evolução.

 

TRIGUEIRINHO
Publicado no Jornal O Tempo,em 15/02/09 – 00h00
https://www.otempo.com.br/opinião/trigueirinho/a-importância-do-silêncio-como-instrumento-da-harmonia-1.202724
Via: @TrigueirinhoOficial

EM QUE FREQUÊNCIA VOCÊ ESTÁ VIBRANDO?

1381978_434710553315288_97889817_n

Todos Sabemos que somos o que Pensamos e atraímos para nossa vida o que desejamos e sendo assim, quando desejamos saúde, colapsamos saúde… se procuramos a cura, entramos em ressonância com a cura… tudo que vibramos é energia, não é mesmo?

Provavelmente você já tenha ouvido falar sobre a necessidade de gerar sintonia com as coisas boas por meio de pensamentos positivos e boas vibrações. Mas, você sabia que a ciência já explicou esse poder que o pensamento exerce sobre a nossa vida?

A Física Quântica, ciência que estuda o mundo e seus fenômenos em nível microscópico, veio para reforçar a ideia de que a nossa realidade é diretamente modificada pelo que pensamos e pelas ondas de energia que emanamos com esses pensamentos.

Assim é o estudo da dualidade dos elétrons que são ao mesmo tempo matéria e onda. A Física Quântica descobriu que tudo o que existe carrega consigo quantum, ou seja, um “pacotinho” de energia, que é transmitido através de frequências de onda. Sabe-se então que quanto maior a frequência de vibração da onda, maior a energia de cada quantum (ou pacote de energia) que ele carrega.

Nessa perspectiva, quando consideramos a mente, é possível concluir que um pensamento positivo, quando emanado em alta frequência, carrega um “pacotinho de energia” muito maior, devido à sua frequência de vibração. Viu como é muito importante sempre desejar o bem e emanar energias positivas? O corpo e o universo ao nosso redor respondem claramente. Mas, o pensamento tem mais que energia suficiente para modificar a realidade.

Afetamos a realidade com tudo o que pensamos e sentimos. Então, se eu me vejo saudável eu afeto a célula com a saúde. Isso você já sabe. Mas, você sabia que quando você acredita realmente que pode fazer algo, a chance de conseguir é muito maior?

Isso acontece, porque a nossa mente é muito poderosa e trabalha diretamente com a energia liberada pelo pensamento. Mesmo que você não saiba exatamente o que quer, se você se concentrar em negatividade, não conseguirá um relacionamento de sucesso, será infeliz, atrairá para os seus dias muitas coisas desagradáveis.

Porém, se você acredita com toda a força que pode mudar, que coisas boas acontecerão, que você pode alcançar seu sonho, estará atraindo positividade e boas vibrações para a sua vida! É como se você estivesse dizendo para sua mente que é possível, que vocês trabalharam juntas para conseguir alcançar esse objetivo. Toda energia emanada é positiva e então o universo, pela lei da atração, também se polariza na positividade.

Há uma conexão entre a energia, nossos pensamentos e o mundo da matéria que nos cerca. Toda matéria é feita de átomos e cada átomo tem um núcleo, contendo prótons e nêutrons, em torno do qual orbitam os elétrons. Nos átomos, os elétrons sempre giram em torno do núcleo de “órbitas” predeterminadas, ou níveis de energia que asseguram a estabilidade do átomo.

Os elétrons podem ser levados a assumir órbitas “mais elevadas”, pela adição de energia, ou podem desprender energia quando caem para uma órbita “mais baixa”. Quando se trata de vibrações, se estiverem “alinhados”, os átomos criam uma força motora, trabalhando todos na mesma direção, de uma forma bem semelhante à dos metais que podem ser magnetizados alinhando suas moléculas numa única direção. Esta criação de pólos positivos (+) e negativos (-) é um fato da natureza e da ciência.

Vejamos então como vibra cada sentimento e como podem influenciar na forma em que estamos criando nossa realidade:

VERGONHA: vibrando apenas 20 Hz, é a vibração mais baixa que um ser humano emite. A vergonha impede tomada de decisões, convivência social, não tendo experiências na vida, o que dificulta o aprendizado, a evolução e a tomada de ação, porque não se sabe o que dá certo e o que não dá. De forma mais amena, se manifesta como timidez. E em um nível extremo de vergonha a pessoa quer desaparecer, até suicidar-se, sentindo ódio de si mesmo.

CULPA (30 Hz): Vibração um pouco mais alta que a vergonha, pois, para sentir culpa a pessoa precisa agir. Pessoas assim criam muito pouco, fazem papel de vítima, culpando tudo e a todos por não conseguir ter sucesso em suas pretensões. Nunca inova, vive do passado. A religião para esse tipo de pessoa, alimenta nela o sentimento de que são pecadores.

APATIA (50 Hz): Perda da esperança e vitimização. Característica dos sem teto. As pessoas nesse estado não conseguem agir perante o que a vida apresenta.

DOR/SOFRIMENTO (75 Hz): Tristeza extrema, principalmente diante de perdas. Vibra mais que a apatia, pois o sofrimento transforma as pessoas e lhes tira do estado de apatia.

MEDO (100 Hz): As pessoas com medo se sentem inseguras diante à questões da vida, tudo se torna perigoso. Podem ter paranoicas, ficam preocupadas e estressadas. Muitas vezes necessitam de ajuda para superar e lidar com esses medos e sair dessa situação. Medos são crenças limitantes, que geram falta de qualidade de vida.

DESEJO (125 Hz): Nesse nível a pessoa é materialista ao ponto de nunca estar feliz com o que tem. Alimenta vícios e luxúria. É consumista, enquanto não compra o que quer fica impaciente e ansiosa. Somos nós que escolhemos qual efeito as coisas físicas terão sobre nós, podem ser boas ou ruins. Temos que ter equilíbrio.

RAIVA (150 Hz): É um sentimento de frustração, que pode ficar escondido em nosso interior ou ser exposto num momento de fúria, que também causa culpa, vergonha e mal estar, pois, sempre após perder o controle, o indivíduo sente-se mal, por não ter conseguido controlar os sentimentos. Quando a raiva fica guardada dentro de si, se acumula e chega num ponto onde um “mosquito vira um boi”, causando uma “explosão”. O ideal não é guardar a raiva e sim tentar canaliza-la em outras coisas como sair ao ar livre para fazer exercícios físicos por exemplo.

ORGULHO (175 Hz): Esse é o estado de consciência predominante da humanidade atualmente. Dependente de circunstâncias externas (dinheiro, poder, fama, etc). É o estado que leva ao nacionalismo, racismo e guerras religiosas. Um ataque a suas crenças, vira um ataque pessoal.

CORAGEM (200 Hz): Nesse estado o ego ainda existe, mas já se começa ver uma vida fora de si, pensando mais nos outro. O otimismo prevalece, e a espiritualidade começa a aflorar.

NEUTRALIDADE (250 Hz): Nível de sistemas onde nossas crenças são flexíveis, nos tornamos desapegados e mais felizes. Aconteça o que acontecer, você vai estar firme em sua posição. Perde-se a necessidade de provar. Você se sente seguro e convive muito bem com outras pessoas. É um estado confortável.

DISPOSIÇÃO (310 Hz): Neste nível, você começa a usar sua energia de forma mais eficaz. Começa a colocar em prática as ideias, não existe mais reclamação de quase nada. Aqui começa a acabar a entropia. A vida fica mais organizada.

ACEITAÇÃO (350 Hz): Mudança verdadeira, elimina-se crenças antigas. Vive proativamente pois sua energia aumenta.

No nível da aceitação você se torna competente e aqui você quer utilizar suas habilidades para fazer algo bom. É aqui que você define e alcança metas. Começa a entender que tem uma papel a mais no mundo e quer fazer a diferença. Já consegue perdoar facilmente.

RAZÃO/CONTEMPLAÇÃO (400 Hz): Hawkins define este nível como o nível da medicina e da ciência. Consciência dos mestres, onde se é desapegado de tudo. Enxerga o mundo como um todo conectado, não existe mais sofrimento por coisas externas, não vive mais na Matrix.

AMOR (500 Hz): Não existe mais o ego, somente o amor incondicional, onde tudo que se faz é por um bem maior. Hawkins diz que esse nível é alcançado apenas por uma em 250 pessoas durante todo o seu tempo de vida. Uma parcela mínima como 0,0001% vive nesse estado.

ALEGRIA (540 Hz): Estado de felicidade inabalável. A Alegria é o maior estado de consciência que o ego pode atingir. Começa o desapego com a vida. Nível onde estão mais avançados na espiritualidade. A energia dessas pessoas é radiante e é muito bom estar perto delas. Expansão de consciência. A pessoa age através de sua intuição, que é muito forte.

PAZ (600 Hz): Total transcendência. Hawkins diz que esse nível só é alcançado por uma pessoa em 10 milhões.

ILUMINAÇÃO (700 Hz): “É a união do ser com o todo”. O fim do individualismo. O fim do eu. Fim do ego. O homem transcendental. Extremamente raro. Só o fato de pensar sobre pessoas desse nível pode fazer com que você aumente seu nível de consciência. É aqui que acontece o estado da “Consciência Elevada”, também conhecido como “Super Consciência”. Você vê o mundo como ele realmente é. Indescritível.”

Somos seres vibracionais. Cada vibração equivale a um sentimento e no mundo “vibracional”, existem apenas duas espécies de vibrações, a positiva e a negativa. Qualquer sentimento faz com que você emita uma vibração que pode ser positiva ou negativa.

Exemplos de Sentimentos que geram vibrações positivas: Paz, alegria, amor, entusiasmo, gratidão, abundância, esperança, conforto, confiança, afeição.

Exemplos de sentimentos que geram vibrações negativas: Desapontamento, solidão, falta, tristeza, confusão, estresse, raiva, mágoa.

A Lei da Atração está em ação em ambas as formas, expandindo e orquestrando tudo o que precisa acontecer para trazer uma maior quantidade da mesma coisa, seja ela positiva ou negativa.

As vibrações positivas são mais altas, enquanto as negativas são mais baixas. Quando você vivencia um sentimento frequentemente ou mantém um sentimento por muito tempo, ele se torna padrão.

E então, você consegue identificar quais sentimentos está emanando ao Universo??

Consegue perceber o que e porque está atraindo determinados fatores para sua vida??

Elainne Ourives

Treinadora Mental e Reprogramadora de DNA

Criadora da Técnica Hertz – Reprogramação da Frequência Vibracional