MANTENHA A MEMÓRIA EM DIA CONSUMINDO OS ALIMENTOS CORRETOS

Image

A fisetina é uma substância que se encontra no morango, pêssego, uva, kiwi, tomate, maçã e também na cebola e espinafre. Segundo o Instituto Salk, na Califórnia (EUA), essa substância vem sendo considerada fundamental para manter a memória jovem, porque sua função é estimular a formação de novas conexões entre os neurônios (ramificações) e fortalecê-las. Os alimentos deste grupo contêm substâncias que facilitam a comunicação entre os neurônios, aumentando também a capacidade de pensar, se concentrar, aprender e memorizar. Confira abaixo alguns nutrientes e minerais amigos do cérebro

– Zinco, Selênio, Ferro e Fósforo: Sais minerais que participam de inúmeras trocas elétricas e mantêm o cérebro acordado e ativo (elétrico). Presente em todas as sementes e grãos, em raízes e nas folhas verde escuro, iogurtes.

– Vitamina E: Poderosa ação antioxidante. Presente em todas as sementes e grãos, como também em óleos vegetais prensados a frio.

– Vitamina C: Famosa ação antioxidante. Presente nas sementes frescas e cruas que foram pré-geminadas, assim como na maioria das frutas

– Vitaminas do complexo B: Regulam a transmissão de informações (as sinapses) entre os neurônios, presente nas sementes e nas fibras dos alimentos integrais e proteínas. 

– Bioflavonoides: São polifenois com forte ação antioxidante. Além das sementes, são encontrados também no limão, frutas cítricas, uva e nas folhas verde escuro. 

– Colina: Participa da construção da membrana de novas células cerebrais e na reparação daquelas já lesadas. Presente na gema do ovo e em todas as sementes e grãos (predominância na soja), como também em óleos vegetais prensados a frio. 

– Acetil-colina: Um neurotransmissor, fundamental para as funções de memorização no hipocampo. Presente na gema do ovo e em todas as sementes e grãos (predominância na soja), como também em óleos vegetais prensados a frio. 

– Fitosterois: Estimulante poderoso do sistema de defesa do organismo, reduzindo proliferação de células tumorais, infecções e inflamações. Presente em todas as sementes e grãos, como também em óleos vegetais prensados a frio. 

– Fosfolipídeos (entre eles a Lecitina): Funcionam como um detergente, desengordurando todos os sites por onde passa. Além disso, participam na recuperação das estruturas do sistema nervoso e da memória. Presente em todas as sementes e grãos (predominância na soja), como também em óleos vegetais prensados a frio. 

– Ômega-3: Funciona como um antiinflamatório poderoso, evitando a morte dos neurônios. Existem somente três fontes: os peixes de águas frias e profundas e as sementes de linhaça e prímula. 

– Carboidratos: A glicose é a energia exclusiva do cérebro. Por isso, ficar muito tempo sem comercarboidratos diminui a atividade mental. Carboidratos complexos (pão, batata, grãos) são absorvidos mais lentamente, fornecendo energia de forma regular. Já o açúcar dos doces é absorvido tão rapidamente que é armazenado como gordura, sem fornecer energia de modo constante. 

– Cafeína: É um potente estimulante do sistema nervoso central. Tem efeitos positivos, como aumento da disposição física e diminuição do sono. Em excesso, causa danos à memória. Café e chá verde. 

– Triptofano: Aminoácido que atua no sono e na performance cerebral. Pode ser encontrado no leite, queijo branco, nas carnes magras e nozes. 

 

Por: Daniela Cyrulin – Nutricionista 

MAÇÃ : A MEDIDA CERTA DA SUA SAÚDE

451

Nenhuma outra fruta é tão presente no imaginário popular quanto a maçã. Da mitologia grega aos contos de fadas, das histórias de Guilherme Tell às teorias de Isaac Newton, ela está em todas. E a julgar pelos mais recentes estudos, não deveria faltar também na mesa do brasileiro. Uma pesquisa da Universidade da Flórida (EUA) afirma que comer uma maçã por dia evita o acúmulo de colesterol ruim, o LDL, nos vasos sanguíneos em até 25%. Outro estudo, desenvolvido pela Universidade da Pensilvânia (EUA), revela que comer uma maçã 15 minutos antes das refeições é cinco vezes mais eficiente que tomar inibidor de apetite. Do outro lado do Atlântico, pesquisadores do Instituto Nacional de Coração e Pulmões (Grã-Bretanha) garantiram que beber suco de maçã ajuda a prevenir crises de asma. Mas comer uma maçã por dia não ajuda apenas a controlar o colesterol, a moderar o apetite ou a evitar asma. Combate, também, doenças cardiovasculares, reduz o risco de diabetes e melhora a função digestiva. “A maçã não chega a ser uma fruta completa. Mas é daquelas que não podem faltar na nossa alimentação. A variação é muito importante, uma vez que cada fruta tem um particular nutracêutico”, afirma o nutrólogo Edson Credidio, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Vitaminas da maçã

A exemplo de tantas outras, a maçã também é rica em vitaminas, como as A, B, C e E, e sais minerais, como potássio, ferro e cálcio. A diferença é que o fruto da macieira contém duas substâncias para lá de especiais: a pectina, uma fibra que, encontrada na casca, modera o apetite porque dá sensação de saciedade, e a quercetina, um antioxidante que está presente na polpa e ajuda no combate ao envelhecimento das células do sistema imunológico. “No primeiro caso, a maçã evita a ingestão exagerada de alimentos. No segundo, protege o organismo dos danos causados pelos radicais livres”, explica a nutróloga Luciana Carneiro, da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). E o que é melhor: a maçã ainda oferece baixas calorias. Cada 100 g contém apenas 56 kcal. Mais importante do que guardar nomes esquisitos, é lembrar, sempre que possível, de comer a maçã com casca. Segundo a nutricionista Jocelem Salgado, da Universidade de São Paulo (USP), é nela que se concentram as substâncias que oferecem benefícios ao nosso organismo. “Extratos retirados da casca da maçã inibiram o crescimento de células do câncer de fígado em 57% dos casos”, justifica a nutricionista, acrescentando que a maçã é considerada, também, uma espécie de “escova de dente natural”.

Fonte: Revista Uol