O FUNCIONAMENTO DA MENTE HUMANA – Um guia para programadores oportunistas, crentes convictos e coitadinhos de mim

bobo_da_corte_do_carnaval_adesivo-rbcaba85564f2493f885be75650ad0194_v9wth_8byvr_512

Comece fixando em sua mente o seguinte programa:

1- Faça uma coisa repetidamente, com convicção, como se a sua vida dependesse disso, como se fosse a coisa mais importante do mundo. Aconteça o que acontecer, não questione o que você está fazendo nem tente interromper o programa. Não se observe, não procure conhecer a si mesmo e nunca se autoafirme. Simplesmente faça, sem pensar. Sua vida é boa, você tem tudo o que precisa pra viver e vai para um lugar quentinho e feliz depois da morte.

2- Continue fazendo, mesmo que seja interrompido, questionado ou desafiado a pensar. Mesmo que continuar seja totalmente irracional ou ilógico, um verdadeiro suicídio mental ou uma loucura absurda. Mesmo que você sofra as consequências ou faça os outros sofrerem com isso. É gostoso ter coisas entrando por um ouvido e saindo pelo outro tranquilamente.

3- Copie esse programa para a mente de outras pessoas sempre que possível e, na primeira oportunidade que tiver, inove na forma de fazer isso. Não se preocupe em ser pego, nem fique com a consciência pesada, raramente alguém vê ou percebe que foi ‘infectado’. Na pior das hipóteses, você pode se fazer de vítima, fingir ‘que não é com você’ ou que você não entende porque estão te julgando e sendo tão duros com você.

4- Repita tudo de novo, porque você ama a rotina.

—@—

DICA PARA UM MELHOR DESEMPENHO Nº 1:
Se em algum momento alguém chegar te apresentando coisas como autoobservação, autoconhecimento, autoafirmação, terapias, chás milagrosos, meditação ou essa coisa toda de libertação mental, negue veementemente, reforce que você já tem as suas crenças e afaste-se o quanto antes dessa pessoa. Lembre-se que sua mãe lhe disse pra não falar com estranhos.

DICA PARA UM MELHOR DESEMPENHO Nº 2:
Se alguém tentar interromper o seu programa, contestar o que você está fazendo, questionar a sua crença ou mesmo tentar te impedir, acabe com a conversa, acabe com a relação se for preciso. Grite, xingue, proteste, quebre alguma coisa e volte a fazer o que você estava fazendo normalmente, reforçando que você está fazendo a coisa certa e que é nisso que você acredita e ponto final. Enfim, não permita que alguém estrague o seu dia ou interfira no seu livre arbítrio.

—@—

NOTA MENTAL Nº 1:
O melhor momento pra copiar o programa para a mente de outras pessoas é quando elas exibem suas crenças e convicções, quando expõem seus sofrimentos e dramas pessoais ou quando exaltam seus sonhos, desejos e vícios mais ardentes. Afinal, todos gostam de pensar que sabem como funciona a sua própria mente, e um pequeno reforço nunca é demais.

NOTA MENTAL Nº 2:
Graças a tecnologias muito avançadas chamadas Programação neurolinguística e DNA, é possível iniciar e rodar programas com facilidade quase infantil. Isso pode ser feito mesmo sem querer ou sem qualquer experiência no assunto, bastando ‘dar o play’ em qualquer momento traumático ou vulnerável na vida de alguém, como descrito na nota mental nº 1. Se tiver qualquer dúvida sobre esse assunto, ligue a televisão.

NOTA DE REFORÇO:
Lembre-se de, sempre que possível, aproveitar as oportunidades de convencer alguém a pensar como você, e a ficar do seu lado. Os melhores lugares são aqueles em que todos concordam e até reforçam os programas uns dos outros, como descrito na nota mental nº 1.

—@—

PS.: Não nos responsabilizamos por eventuais danos decorrentes desse processo, mesmo porque você já está danificado por ele antes mesmo de começar a rodá-lo.

Por: Julio Licks

https://www.facebook.com/julio.licks

EGO, O FALSO CENTRO

art-girl-walls-bars-water-herbs-home-line-landscape-circles-birds-ladders-surrealism

“O primeiro ponto a ser compreendido é o ego.


Uma criança nasce sem qualquer conhecimento, sem qualquer consciência de seu próprio eu. E quando uma criança nasce, a primeira coisa da qual ela se torna consciente não é ela mesma; a primeira coisa da qual ela se torna consciente é o outro. Isso é natural, porque os olhos se abrem para fora, as mãos tocam os outros, os ouvidos escutam os outros, a língua saboreia a comida e o nariz cheira o exterior. Todos esses sentidos abrem-se para fora. O nascimento é isso.
Nascimento significa vir a esse mundo: o mundo exterior. Assim, quando uma criança nasce, ela nasce nesse mundo. Ela abre os olhos e vê os outros. O outro significa o tu.
Ela primeiro se torna consciente da mãe. Então, pouco a pouco, ela se torna consciente de seu próprio corpo. Esse também é o ‘outro’, também pertence ao mundo. Ela está com fome e passa a sentir o corpo; quando sua necessidade é satisfeita, ela esquece o corpo. É dessa maneira que a criança cresce.
Primeiro ela se torna consciente do você, do tu, do outro, e então, pouco a pouco, contrastando com você, com tu, ela se torna consciente de si mesma.
Essa consciência é uma consciência refletida. Ela não está consciente de quem ela é. Ela está simplesmente consciente da mãe e do que ela pensa a seu respeito. Se a mãe sorri, se a mãe aprecia a criança, se diz ‘você é bonita’, se ela a abraça e a beija, a criança sente-se bem a respeito de si mesma. Assim, um ego começa a nascer.
Através da apreciação, do amor, do cuidado, ela sente que é ela boa, ela sente que tem valor, ela sente que tem importância. Um centro está nascendo. Mas esse centro é um centro refletido. Ele não é o ser verdadeiro. A criança não sabe quem ela é; ela simplesmente sabe o que os outros pensa a seu respeito.
E esse é o ego: o reflexo, aquilo que os outros pensam. Se ninguém pensa que ela tem alguma utilidade, se ninguém a aprecia, se ninguém lhe sorri, então, também, um ego nasce – um ego doente, triste, rejeitado, como uma ferida, sentindo-se inferior, sem valor. Isso também é ego. Isso também é um reflexo.
Primeiro a mãe. A mãe, no início, significa o mundo. Depois os outros se juntarão à mãe, e o mundo irá crescendo. E quanto mais o mundo cresce, mais complexo o ego se torna, porque muitas opiniões dos outros são refletidas.
O ego é um fenômeno cumulativo, um subproduto do viver com os outros. Se uma criança vive totalmente sozinha, ela nunca chegará a desenvolver um ego. Mas isso não vai ajudar. Ela permanecerá como um animal. Isso não significa que ela virá a conhecer o seu verdadeiro eu, não.
O verdadeiro só pode ser conhecido através do falso, portanto, o ego é uma necessidade. Temos que passar por ele. Ele é uma disciplina. O verdadeiro só pode ser conhecido através da ilusão. Você não pode conhecer a verdade diretamente. Primeiro você tem que conhecer aquilo que não é verdadeiro. Primeiro você tem que encontrar o falso. Através desse encontro, você se torna capaz de conhecer a verdade. Se você conhece o falso como falso, a verdade nascerá em você.
O ego é uma necessidade; é uma necessidade social, é um subproduto social. A sociedade significa tudo o que está ao seu redor, não você, mas tudo aquilo que o rodeia. Tudo, menos você, é a sociedade. E todos refletem. Você irá à escola e o professor refletirá quem você é. Você fará amizade com as outras crianças e elas refletirão quem você é. Pouco a pouco, todos estarão adicionando algo ao seu ego, e todos estarão tentando modificá-lo, de modo que você não se torne um problema para a sociedade.
Eles não estão interessados em você. Eles estão interessados na sociedade. A sociedade está interessada nela mesma, e é assim que deveria ser. Eles não estão interessados no fato de que você deveria se tornar um conhecedor de si mesmo. Interessa-lhes que você se torne uma peça eficiente no mecanismo da sociedade. Você deveria ajustar-se ao padrão.
Assim, estão interessados em dar-lhe um ego que se ajuste à sociedade. Ensinam-lhe a moralidade. Moralidade significa dar-lhe um ego que se ajuste à sociedade. Se você for imoral, você será sempre um desajustado em um lugar ou outro…
Moralidade significa simplesmente que você deve se ajustar à sociedade. Se a sociedade estiver em guerra, a moralidade muda. Se a sociedade estiver em paz, existe uma moralidade diferente. A moralidade é uma política social. É diplomacia. E toda criança deve ser educada de tal forma que ela se ajuste à sociedade; e isso é tudo, porque a sociedade está interessada em membros eficientes. A sociedade não está interessada no fato de que você deveria chegar ao auto-conhecimento.
A sociedade cria um ego porque o ego pode ser controlado e manipulado. O eu nunca pode ser controlado e manipulado. Nunca se ouviu dizer que a sociedade estivesse controlando o eu – não é possível.
E a criança necessita de um centro; a criança está absolutamente inconsciente de seu próprio centro. A sociedade lhe dá um centro e a criança pouco a pouco fica convencida de que esse é o seu centro, o ego dado pela sociedade.
Uma criança volta para casa. Se ela foi o primeiro lugar de sua sala, a família inteira fica feliz. Você a abraça e beija; você a coloca sobre os ombros e começa a dançar e diz ‘que linda criança! você é um motivo de orgulho para nós.’ Você está dando um ego para ela, um ego sutil. E se a criança chega em casa abatida, fracassada, foi um fiasco na sala – ela não passou de ano ou tirou o último lugar, então ninguém a aprecia e a criança se sente rejeitada. Ela tentará com mais afinco na próxima vez, porque o centro se sente abalado.
O ego está sempre abalado, sempre à procura de alimento, de alguém que o aprecie. E é por isso que você está continuamente pedindo atenção.
Você obtém dos outros a idéia de quem você é.  Não é uma experiência direta.
É dos outros que você obtém a idéia de quem você é. Eles modelam o seu centro. Mas esse centro é falso, enquanto que o centro verdadeiro está dentro de você. O centro verdadeiro não é da conta de ninguém. Ninguém o modela. Você vem com ele. Você nasce com ele.
Assim, você tem dois centros. Um centro com o qual você vem, que lhe é dado pela própria existência. Esse é o eu. E o outro centro, que é criado pela sociedade – o ego. Esse é algo falso –  é um grande truque. Através do ego a sociedade está controlando você. Você tem que se comportar de uma certa maneira, porque somente assim a sociedade irá apreciá-lo. Você tem que caminhar de uma certa maneira; você tem que rir de uma certa maneira; você tem que seguir determinadas condutas, uma moralidade, um código. Somente assim a sociedade o apreciará, e se ela não o fizer, o seu ego ficará abalado. E quando o ego fica abalado, você já não sabe onde está, você já não sabe quem você é.
Os outros deram-lhe a idéia. E essa idéia é o ego. Tente entendê-lo o mais profundamente possível, porque ele tem que ser jogado fora. E a não ser que você o jogue fora, nunca será capaz de alcançar o eu. Por estar viciado no falso centro, você não pode se mover, e você não pode olhar para o eu. E lembre-se: vai haver um período intermediário, um intervalo, quando o ego estará se despedaçando, quando você não saberá quem você é, quando você não saberá para onde está indo; quando todos os limites se dissolverão. Você estará simplesmente confuso, um caos.
Devido a esse caos, você tem medo de perder o ego. Mas tem que ser assim. Temos que passar através do caos antes de atingir o centro verdadeiro. E se você for ousado, o período será curto. Se você for medroso e novamente cair no ego, e novamente começar a ajeitá-lo, então, o período pode ser muito, muito longo; muitas vidas podem ser desperdiçadas…
Até mesmo o fato de ser infeliz lhe dá a sensação de “eu sou”. Afastando-se do que é conhecido, o medo toma conta; você começa sentir medo da escuridão e do caos – porque a sociedade conseguiu clarear uma pequena parte de seu ser… É o mesmo que penetrar numa floresta. Você faz uma pequena clareira, você limpa um pedaço de terra, você faz um cercado, você faz uma pequena cabana; você faz um pequeno jardim, um gramado, e você sente-se bem. Além de sua cerca – a floresta, a selva. Mas aqui dentro tudo está bem: você planejou tudo.
Foi assim que aconteceu. A sociedade abriu uma pequena clareira em sua consciência. Ela limpou apenas uma pequena parte completamente, e cercou-a. Tudo está bem ali. Todas as suas universidades estão fazendo isso. Toda a cultura e todo o condicionamento visam apenas limpar uma parte, para que ali você possa se sentir em casa.
E então você passa a sentir medo. Além da cerca existe perigo.
Além da cerca você é, tal como você é dentro da cerca –  e sua mente consciente é apenas uma parte, um décimo de todo o seu ser. Nove décimos estão aguardando no escuro. E dentro desses nove décimos, em algum lugar, o seu centro verdadeiro está oculto.
Precisamos ser ousados, corajosos. Precisamos dar um passo para o desconhecido.
Por um certo tempo, todos os limite ficarão perdidos. Por um certo tempo, você vai se sentir atordoado. Por um certo tempo, você vai se sentir muito amedrontado e abalado, como se tivesse havido um terremoto.
Mas se você for corajoso e não voltar para trás, se você não voltar a cair no ego, mas for sempre em frente, existe um centro oculto dentro de você, um centro que você tem carregado por muitas vidas. Esse centro é a sua alma, o eu.
Uma vez que você se aproxime dele, tudo muda, tudo volta a se assentar novamente. Mas agora esse assentamento não é feito pela sociedade. Agora, tudo se torna um cosmos e não um caos, nasce uma nova ordem. Mas essa não é a ordem da sociedade – essa é a própria ordem da existência.
É o que Buda chama de Dhamma, Lao Tzu chama de Tao, Heráclito chama de Logos. Não é feita pelo homem. É a própria ordem da existência. Então, de repente tudo volta a ficar belo, e pela primeira vez, realmente belo, porque as coisas feitas pelo homem não podem ser belas. No máximo você pode esconder a feiúra delas, isso é tudo. Você pode enfeitá-las, mas elas nunca podem ser belas…
O ego tem uma certa qualidade: a de que ele está morto. Ele é de plástico. E é muito fácil obtê-lo, porque os outros o dão a você. Você não precisa procurar por ele; a busca não é necessária. Por isso, a menos que você se torne um buscador à procura do desconhecido, você ainda não terá se tornado um indivíduo. Você é simplesmente mais um na multidão. Você é apenas uma turba. Se você não tem um centro autêntico, como pode ser um indivíduo?
O ego não é individual. O ego é um fenômeno social – ele é a sociedade, não é você. Mas ele lhe dá um papel na sociedade, uma posição na sociedade. E se você ficar satisfeito com ele, você perderá toda a oportunidade de encontrar o eu. E por isso você é tão infeliz. Como você pode ser feliz com uma vida de plástico? Como você pode estar em êxtase ser bem-aventurado com uma vida falsa?  E esse ego cria muitos tormentos. O ego é o inferno. Sempre que você estiver sofrendo, tente simplesmente observar e analisar, e você descobrirá que, em algum lugar, o ego é a causa do sofrimento. E o ego segue encontrando motivos para sofrer…
E assim as pessoas se tornam dependentes, umas das outras. É uma profunda escravidão. O ego tem que ser um escravo. Ele depende dos outros. E somente uma pessoa que não tenha ego é, pela primeira vez, um mestre; ele deixa de ser um escravo.
Tente entender isso. E comece a procurar o ego – não nos outros, isso não é da sua conta, mas em você. Toda vez que se sentir infeliz, imediatamente feche os olhos e tente descobrir de onde a infelicidade está vindo, e você sempre descobrirá que o falso centro entrou em choque com alguém.
Você esperava algo e isso não aconteceu. Você espera algo e justamente o contrário aconteceu – seu ego fica estremecido, você fica infeliz. Simplesmente olhe, sempre que estiver infeliz, tente descobrir a razão.
As causas não estão fora de você.
A causa básica está dentro de você – mas você sempre olha para fora, você sempre pergunta: ‘Quem está me tornando infeliz?’ ‘Quem está causando a minha raiva?’ ‘Quem está causando a minha angústia?’
Se você olhar para fora, você não perceberá. Simplesmente feche os olhos e sempre olhe para dentro. A origem de toda a infelicidade, da raiva e da angústia, está oculta dentro de você, é o seu ego.
E se você encontrar a origem, será fácil ir além dela. Se você puder ver que é o seu próprio ego que lhe causa problemas, você vai preferir abandoná-lo – porque ninguém é capaz de carregar a origem da infelicidade, uma vez que a tenha entendido.
Mas lembre-se, não há necessidade de abandonar o ego. Você não o pode abandonar. E se você tentar abandoná-lo, simplesmente estará conseguindo um outro ego mais sutil, que diz: ‘tornei-me humilde’…
Todo o caminho em direção ao divino, ao supremo, tem que passar através desse território do ego. O falso tem que ser entendido como falso. A origem da miséria tem que ser entendida como a origem da miséria – então ela simplesmente desaparece. Quando você sabe que ele é o veneno, ele desaparece. Quando você sabe que ele é o fogo, ele desaparece. Quando você sabe que esse é o inferno, ele desaparece.
E então você nunca diz: ‘eu abandonei o ego’. Você simplesmente irá rir de toda essa história, dessa piada, pois você era o criador de toda essa infelicidade…
É difícil ver o próprio ego. É muito fácil ver o ego nos outros. Mas esse não é o ponto, você não os pode ajudar.
Tente ver o seu próprio ego. Simplesmente o observe.
Não tenha pressa em abandoná-lo, simplesmente o observe. Quanto mais você observa, mais capaz você se torna. De repente, um dia, você simplesmente percebe que ele desapareceu. E quando ele desaparece por si mesmo, somente então ele realmente desaparece. Porque não existe outra maneira. Você não pode abandoná-lo antes do tempo. Ele cai exatamente como uma folha seca.
Quando você tiver amadurecido através da compreensão, da consciência, e tiver sentido com totalidade que o ego é a causa de toda a sua infelicidade, um dia você simplesmente vê a folha seca caindo… e então o verdadeiro centro surge.
E esse centro verdadeiro é a alma, o eu, o deus, a verdade, ou como quiser chamá-lo. Você pode lhe dar qualquer nome, aquele que preferir.”


OSHO, Além das Fronteiras da Mente.

Copyright © 2006 OSHO INTERNATIONAL FOUNDATION, Suiça.
Todos os direitos reservados.

JANELAS DA VIDA

Imagem

Um casal mudou-se para um novo bairro. Na manhã do dia seguinte, enquanto tomavam café da manhã, a mulher olhou pela janela e viu sua vizinha estendendo roupas. Imediatamente ela comentou com o marido: “As roupas não estão limpas, nossos vizinhos não sabem lavar roupa, quem sabe eles precisem de um sabão melhor!”.

Durante um mês eles comentaram sobre as roupas sujas dos vizinhos. Até que um dia a mulher olhou pela janela e viu a vizinha estendendo roupas impecavelmente limpas.

Então ela disse ao marido: “Nossos vizinhos finalmente aprenderam a lavar roupa, veja como estão limpas! Quem será que os ensinou?”.

Então o marido lhe disse: “Minha querida, na verdade fui eu que acordei mais cedo hoje e limpei a nossa janela!!!”.

Assim é a vida: aquilo que vemos quando olhamos os outros depende de quão limpas estejam as janelas através das quais olhamos. Antes de criticar e buscar algo no outro para julgar, quem sabe não seja melhor perguntar se não estamos prontos para um novo olhar.

 

Fonte: Aleteia – Em Busca da Verdade

ESTADOS DE TRANSE – O UNIVERSO DO DESPERTAR ESPIRITUAL

Imagem

Os quatro estados mentais

 

As freqüências da Consciência

As ondas cerebrais são formas de ondas eletromagnéticas produzidas pela atividade elétrica das células cerebrais. Elas podem ser medidas através de aparelhos eletrônicos como o eletroencefalograma. As freqüências dessas ondas elétricas são medidas em ciclos por segundo. As ondas cerebrais mudam de freqüência baseando-se na atividade elétrica dos neurônios e estão relacionadas com a mudança dos estados de consciência (vigília, concentração, relaxamento, meditação, etc.).

 

FREQUÊNCIA BETA

Atenção
Concentração
Cognição

Nesta freqüência estamos bem despertos e em alerta. A mente está concentrada e preparada para a execução de trabalhos que requerem atenção. No estado beta os neurônios transmitem as informações rapidamente, permitindo-nos atingir altos estados de concentração, percebendo o mundo físico através dos nossos sentidos. Tudo o que é ligado à lógica, ao raciocínio, ao pensamento, isto é, a uma atividade mental, corresponde a esse nível que é o da consciência do mundo material percebida através dos nossos cinco sentidos.
As ondas betas ajudam nos estudos, na prática de esportes, ou seja, atuam na análise e na organização de informações onde a concentração mental é necessária para um bom desempenho. A faixa de ondas beta está entre 21 e 14 ciclos por segundo. O estado beta está associado à concentração, atenção e formação de novas cognições.

 

FREQUÊNCIA ALFA

Relaxamento
Visualização
Meditação

As ondas vibratórias emitidas pelo cérebro em estado alfa estão abaixo de 14 ciclos/segundo. Fisicamente a pessoa está de olhos fechados, com os sentidos parcialmente adormecidos, num estado de concentração e relaxamento profundo que corresponde ao pré-sono ou adormecimento.
Após muita prática consegue-se chegar a esse nível de olhos abertos. As ondas alfa são comuns antes do sono profundo e um pouco antes de acordarmos totalmente; é o estado que Jung chamou de estado “hipnagógico”; corresponde ao que chamamos “estado de consciência superior”, pois a pessoa ultrapassa a barreira mental e entra num estado de percepção extra-sensorial, tendo pensamentos intuitivos e criativos. Podemos entrar nesse estado através do relaxamento e meditação, pois quando aprofundamos a atividade cerebral, baixamos do estado beta para as ondas alfa que são mais lentas. A nossa consciência se expande. Flui energia criativa e desaparece a ansiedade, aparecendo uma sensação de paz e bem-estar.
As ondas alfa são excelentes para a solução de problemas, para memorização, relaxamento e para a prática de visualização com o objetivo de melhorarmos nosso desempenho em todas as áreas de nossas vidas (tela mental ou visualização criativa). Nesse estado alterado de consciência temos mais acesso às nossas capacidades chamadas de paranormais. Ao funcionarmos nesse nível de consciência abrimos uma porta para estados de consciência mais profundos onde “todos somos um” (UNICIDADE). Nesse estado, quando chegamos à ciclagem 10.5 ciclos por segundo, atingimos a Schumann Ressonance – a freqüência do campo eletromagnético da Terra. Nessa freqüência consegue-se a telepatia, premonição, retrocognição…

 

FREQUÊNCIA TETA

Meditação
Intuição/Criatividade
Memória

Se aprofundarmos o nível alfa abaixo de 7 ciclos por segundochegaremos, com a prática de exercícios de meditação, ao nível teta onde ocorre inclusive a cura do corpo físico. No nível teta nossa atividade cerebral baixa quase ao nível do sono; é quando temos a sensação de estarmos caindo ou misturamos com o que acontece naquele momento na vida real (sons que ouvimos no ambiente), isto é, misturamos a realidade que ouvimos com os sonhos. Teta é o estado cerebral onde aumentamos a capacidade mental. É nesse estado de consciência que aparecem os flashes do nosso inconsciente (ideal para a projeção astral) e o acesso às memórias esquecidas.
Pode-se sentir a mente se expandir além dos limites do corpo. Portanto, teta é o estado ideal para a cura e também para a aprendizagem. Sabemos que a consolidação do que aprendemos durante o dia acontece quando dormimos. Também em teta podemos nos livrar de condicionamentos indesejados; é neste estado que ao sonharmos nos lembramos do sonho ao acordarmos. Também abrimos o inconsciente e podemos reviver cenas que causaram traumas no passado e nos curarmos das seqüelas que foram deixadas por eles (aqui se enquadram as terapias de regressão à vidas passadas). Nessa frequência cerebral aumentamos a criatividade, por isso surgiram os inventos de Henry Ford, Thomas Edison, etc… Conta-se que Thomas Edison adormecia levemente em cima de seus experimentos e despertava com as soluções. A freqüência de ondas teta está abaixo de 7 ciclos por segundo. Recebemos informações para além do nosso estado normal de consciência, ativando estados mentais extra-sensoriais; intuição, criatividade.

 

FREQUÊNCIA DELTA

Consciência expandida
Cura e Recuperação
Sono

Delta é a mais baixa de todas as freqüências de ondas cerebrais – entre 0.1 e 4 HZ.
A pessoa está de olhos fechados, inconsciente e com todos os sentidos adormecidos. O corpo está apenas na sua função automática e a pessoa se encontra insensível à dor. Os sentidos estão completamente adormecidos e a pessoa está totalmente inconsciente. Corresponde a um estado de coma profundo, de sono profundo ou de anestesia geral, também de hipnose profunda.
Delta é a mais baixa de todas as freqüências de ondas cerebrais. É em Delta que liberamos o hormônio do crescimento humano (GH), que é liberado se não fizermos nenhuma alimentação pesada 5 horas antes de dormir. No início de nossas vidas esse hormônio (GH) é usado pelo nosso organismo para o crescimento; quando cessa o crescimento nosso organismo o usa para nos manter jovens. Essa liberação é benéfica, pois beneficia a cura e a regeneração celular.

 

ONDAS CEREBRAIS E O AUTOCONHECIMENTO

Devemos compreender que nossos ritmos de consciência estão vinculados a nossa freqüência de ondas cerebrais. Tudo em nós é unificado: uma emoção negativa (geradora de stress ou ansiedade) despeja cascatas de hormônios em nossa circulação, acelerando nosso ritmo respiratório e batimento cardíaco, elevando nossa pressão sanguínea e nossa freqüência de ondas cerebrais. Quanto mais aceleradas estas ondas, menor nossa consciência e capacidade de aprendizado (o “branco” em situações de tensão evidencia isto), mais instintivos e menos intuitivos nos tornamos, nos afastamos de nossa Chispa Divina interior…

Por outro lado, as diversas técnicas de expansão de consciência têm o poder de baixar tais ondas e realizar muitos dos prodígios relacionados a ela: cura de doenças físicas (existem casos documentados de remissão de tumores em 2 semanas unicamente através da meditação), reprogramação mental, ativação de memória genética e de vidas passadas, projeção astral e muito mais.

E como atingir tais estados? Cada povo desenvolve seu método: danças, yoga, mantras, concentração, toques de tambor ou ingestão de plantas professoras (dentre elas a ayahuasca). Todas estas no permitem entrar em estado de meditação, conhecer o shamadi ou êxtase, a plenitude espiritual e reconecção com nosso Ser… Nesse estágio, a pessoa se torna calma, tranqüila, em paz e em harmonia, pois quanto mais profundo é o relaxamento, mais lenta é a atividade cerebral e mais a consciência se abre. Este também é o segredo da regeneração cerebral e celular.

E o mais importante: este estado também pode – e deve – ser transportado até sua vida diária, de instante em instante e de momento a momento…

 

Fonte: Luz da Consciência

HONRE A SI MESMO.

Imagem

Você merece o melhor.
Muitos de vocês estiveram passando por um tremendo crescimento espiritual e por mudanças. Com todas as mudanças e transformações que estiveram acontecendo a você, é o momento de se honrar mais e começar a confiar em sua orientação interior. Quanto mais você usa e confia nesta sabedoria, mais ela aumenta e mais orientação e apoio você sente. Seja o que for que você estimule, irá crescer exponencialmente. Vemos muita coisa acontecendo em sua Terra para aqueles que estão se tornando tão brilhantes.

Reserve algum tempo hoje para se divertir, para brincar e se sentir livre. Estar ao ar livre quando puder e se divertir um pouco irá ajudar em suas mudanças, limpará a sua mente e também ajudará na liberação do que não mais lhe serve. Tenha um tempo para respirar o ar puro e expandir os seus pulmões, enquanto você segue rindo e se divertindo, e a partir disto, novas idéias poderão surgir inesperadamente em sua cabeça, a partir da sua comitiva de Seres de Luz, bem como do seu Eu Superior. Quando você encontra mais alegria em sua jornada, cada dia se torna mais brilhante do que o anterior.
Aproveite o tempo para se honrar e o seu espírito. Você é digno disto e o merece.

Sharon

Via: Energia Canela

https://www.facebook.com/energiacanela

LEMBRE-SE DE QUEM VOCÊ É

Imagem

Tudo que você precisa fazer é se lembrar de quem você realmente é. Se você conseguir se lembrar de quem realmente é, algo incrível vai acontecer de dentro para fora, e você vai ser tomado por um amor e por uma sabedoria que talvez nunca tenha sentido. A sua visão amplia, você fica completamente conectado(a) com você mesmo e com tudo que está a sua volta. A sensação predominante é de paz; amor e plenitude.

Podemos falar também do que não existe nesse lugar… não existe pensamentos, não existe medo, não existe barulho, nem raiva; realmente o medo não encontra espaço nesse lugar. O que realmente existe é algo indescritível, mas que se parece com, entrega. Uma total despreocupação, uma total ocupação disto que é, agora. É saber-se de si como nunca. E como num mergulho onde cada pedaço de pele pode saborear a água que desliza suavemente e toca com força uma periferia que antes adormecia, agora se vê acordada, amornada, descansada e embalada, na doce presença do todo em si. E isso é tão bom, é tão necessário, e tão urgente.

Então, por favor, faça algo que te faça lembrar de quem você é, porque eu quero te ver, eu quero te tocar e eu quero que as palavras de amor subam os caminhos entre o meu coração e minha boca, e saiam dela te dizendo o quanto eu te amo… mas eu não quero falar isso para todas essas coisas que estão na sua frente e gritando em volta da gente. Essas coisas tomaram você e se fazem passar por você; esse medo, essa focalização no passado e nas pessoas que passaram, essa mágoa, essa preocupação com o futuro, esse vazio, esse cansaço e essa vontade de deixar tudo sempre pra depois. Essa mania, essa mania de achar que algo vai te salvar…

Se ao menos você tivesse um relâmpago de quem você verdadeiramente é… se você se deixasse andar descalço(a) na beira do mar, ou deixasse o vento te soprar pelas costas, te empurrando e guiando para onde realmente deves ir… se você deixasse, se você deixasse… mas você teima em discutir com o vento, teima em empurrar ele de frente… isso não vai levar em nada, isso vai te levar ao nada.

Se você deixasse que os espinhos, por onde passas, te arrancassem os véus, um a um, brancos violáceos, mas que te cobrem o rosto e te impedem de olhar para o céu e ver como os pássaros voam e se deixam levar pelo vento que lhes toma pelas costas, e os empurra para onde devem ir. E quando pousam, pousam suavemente como sementes, e aguardam a chuva; e depois germinam cobrindo tudo de verdes; verdes claros, escuros e até os amarelados; cobrindo todos os espaços, para que haja espaço para as flores de outras cores chegarem.

Se você deixasse, se você deixasse…

Se você se lembrasse, se você se lembrasse… de quem você verdadeiramente é…

Por: Karla Araujo

 

O PROBLEMA

Imagem

O “Problema” tem a intenção de afastar você de você mesmo, ele faz com que você se afaste tanto de você, que acaba se esquecendo de quem você é verdadeiramente. Então completamente embriagado pelo “problema” você se confunde, se funde com ele, e começa a REagir aos acontecimentos como se fosse ele e não você; e o “problema” REage segundo às recordações e experiências pelas quais você passou, principalmente as que causaram algum trauma. É aí que o problema reflete suas imagens interiores e no final você não está AGindo quando diante de um desafio, mas sim REagindo segundo suas próprias recordações de dor, e mais uma vez você está no passado, muda o contexto, mas o filme é o mesmo, a dor é a mesma e a resposta REativa é a mesma. E se a resposta REativa é a mesma, o resultado será o mesmo, mais dor, mais sofrimento.

Por favor, por favor, venha para cá, venha para o presente, volte, volte, recorde-se de quem você é. Tome posse da sua grandeza interior, tome posse da sua “presença”. Olhe para o desafio com o olhar de uma mente vazia e acordada para o que REALmente está acontecendo no momento, olhe para o que é! O que é, é.

Separe-se do ‘problema”, ele quer se repetir e se repetir eternamente dentro de você, ele quer te enlouquecer!

Respire e diga EU SOU, chame a sua energia vital, clame por suas forças ancestrais e abra caminho para a sua CONSCIÊNCIA! Chame por ela, diga que você quer e escolhe esse contato, e deixe que ela te pegue, te sacuda e te torne ciente de suas próprias forças universais internas, te coloque para parir você de novo, te abrindo, te rasgando e fazendo com que você definitivamente se lembre da sua beleza, da sua grandeza e do amor que você tem aí dentro! A sua consciência vai te jogar no aqui e agora e assim você vai poder presenciar o que realmente está acontecendo, e responder a isso livremente, amorosamente, e certamente poderá escolher caminhos que te levam ao encontro de mais amor, saúde e qualidade de vida.

Então talvez você respire fundo e se emocione com tudo isso, porque você nunca pensou em fazer o seu próprio parto, parece até uma loucura nascer de si mesmo. É… dói…

Sim, seja bem vindo(a), você está no aqui e agora! Agora você realmente está aqui, e eu vejo você, você é tão lindo(a)…
Que bom que você chegou…
Eu amo você…

Ham? O problema? Acho que ele foi embora…

Bem, você pode agradecer a ele também, acho que ele fez uma boa contribuição, pois a inconsciência faz parte do processo de despertar da consciência; a liberdade só tem razão de ser para os que já se sentiram prisioneiros.

Por: Karla de Araújo

Saiba mais: https://omundodegaya.wordpress.com/misttico/