A Sacerdotisa Gnóstica e as Iniciações

sacerdotisa

A mulher é a mais bela expressão da Divindade, seja no Cosmo e na Natureza, seja na Sociedade. Como reflexo potencial do Aspecto Materno e Feminino de Deus e do Universo, a mulher deve também expressar as 7 funções sagradas do Eterno Feminino, que são: Gerar, Gestar, Parir, Nutrir, Educar, Manter e Absorver.

A mulher é a expressão da Natureza velada através de suas FUNÇÕES SAGRADAS.

A Sacerdotisa deve ser, para o sacerdote, simultaneamente: Esposa, Irmã, Mãe, Filha e Deusa.

Para o VM Samael Aun Weor, “sem a mulher não haveria Deuses”. Mas o que é ser uma Sacerdotisa, uma Iniciada?

Para a Gnose eterna, a Sacerdotisa é aquele Ser, encarnado em corpo de mulher, que potencializa em seu interior, por meio do autoconhecimento, arquétipos sagrados que nos tornam unos com a Realidade, o Todo e a Verdade.

Dentro do ser humano, independentemente de sexo, raça, religião e condições sociais diversas, há duas forças que se combatem mutuamente desde o início dos tempos. São a ovelha e o lobo interiores.

A ovelha é aquela nossa Essência, ou Alma, a Chispa Sagrada que veio das estrelas, do centro mesmo da galáxia, do coração cósmico que nos deu vida. E o Lobo são as forças que nos mantêm aprisionados a Maya, às ilusões fascinantes, o canto das sereias que nos ata e mata.

Essas duas forças interiores são as duas sendas da vida, a Senda Horizontal, da vida profana e sem metas, o existir por existir; e a Senda Vertical, a que nos leva diretamente ao mais profundo de nossa Alma e coração.

A mulher, quando decide trabalhar sobre si mesma, eliminando seus bloqueios, traumas, fobias, condicionamentos, complexos e ilusões sensoriais, passa a trilhar por uma Senda que a levará a encarnar princípios espirituais sagrados que foram apresentados em todos os mitos, religiões e tradições iniciáticas.

Esses princípios, ou mitos sagrados, femininos são as sacerdotisas, as profetisas, as heroínas, as deusas e as supermulheres (no sentido mais espiritual do termo).

Na tradição iniciática judaico-cristã, os arquétipos tanto positivos quanto negativos que a mulher pode encarnar estão representados nas seguintes personagens:

Arquétipos Positivos: Eva, Sara, Miriam (irmã de Moisés e Aarão), Maria mãe de Jesus, Maria Madalena etc.

Arquétipos Negativos: Lilith, Dalila, Salomé e Kundry (como veremos melhor em outro texto deste link A Mulher Gnóstica).

A Sacerdotisa e as Iniciações

A Iniciação é a sua própria vida. Se você quer a Iniciação, escreva-a sobre uma vara. Quem tiver entendimento que entenda, porque aqui há sabedoria. A Iniciação não se compra e nem se vende.

Fujamos das escolas que dão iniciações por correspondência. Fujamos de todos aqueles que vendem iniciações. A Iniciação é algo muito íntimo da Alma. O Eu não recebe iniciações. Aqueles que dizem, “Eu tenho tantas e tantas iniciações”, “Eu possuo tantos e tantos Graus”, são mentirosos e farsantes, porque o “Eu” não recebe Iniciações nem Graus.

Existem nove Iniciações de Mistérios Menores e cinco importantes Iniciações de Mistérios Maiores. É a Alma que recebe as Iniciações. Trata-se de algo muito íntimo, que não se anda dizendo e nem se deve contar a ninguém.

Todas as iniciações e graus que são conferidos por muitas escolas do mundo físico não têm realmente nenhum valor nos Mundos Superiores. Os Mestres da Loja Branca só reconhecem como verdadeiras as legítimas Iniciações da Alma. Isso é uma coisa completamente interna.

O discípulo pode subir as nove arcadas, pode atravessar todas as nove Iniciações de Mistérios Menores, sem haver trabalhado com o Arcano AZF (a Magia Sexual). Todavia, é impossível entrar nos Mistérios Maiores, sem a Magia Sexual (o AZF).

No Egito, todo aquele que chegava à Nona Esfera recebia inevitavelmente de lábios a ouvidos o segredo terrível do Grande Arcano (o Arcano mais poderoso, o Arcano AZF).

(fragmentos do livro: O Matrimônio Perfeito, de Samael Aun Weor.)

As Responsabilidades da Sacerdotisa Gnóstica

As Sacerdotisas, como os Sacerdotes, têm uma grande responsabilidade espiritual. Seu estado moral, de pureza e exemplo de vida refletem sobre todo o ambiente social ao seu redor, em geral, e sobre toda a comunidade gnóstica e os que dela participam, em particular, especialmente nos exemplos e na conduta.

A mulher gnóstica deve ser modelo de obediência espiritual e dedicação ao seu trabalho porque é um símbolo vivo da Mãe Divina.Como exemplo vivo da Mãe junto à comunidade, cabe também à Sacerdotisa participar ativamente da psicologia da comunidade, da consciência grupal e das naturais dificuldades iniciáticas individuais de cada irmão (questionamentos, crises emocionais, provas etc.).

As Sacerdotisas, com sua intuição, sentido de observação e na busca da função acalentadora e compreensiva de Mãe, Instrutora, Líder e Iniciada, deverão zelar veladamente pelo bem estar de todos ao seu redor.

As mulheres gnósticas são as “sacerdotisas do templo”. Portanto, além de se darem o respeito, devem igualmente fazerem-se respeitadas pela comunidade por seus conhecimentos, sabedoria, desprendimento, anelo de servir à Causa e, principalmente, seus exemplos de vida.

Para maior compreensão, a mulher gnóstica deve estudar e meditar nas seguintes obras: O Matrimônio PerfeitoPsicologia RevolucionáriaO Mistério do Áureo FlorescerTarot e Cabala(estudo dos Arcanos 2, 3, 6, 11, 14 e 19); Curso Esotérico de Cabala; Textos selecionados do VM Samael sobre a Mãe Divina e seus 5 aspectos; Textos selecionados do VM Samael sobre a mulher e as Deusas dos diversos mitos (deusas greco-latinas, astecas, nórdicas etc.).

FONTE: Gnosis On Line – http://www.gnosisonline.org

22 DE JULHO – DIA DE MARIA MADALENA

Vibrational Art Interactive Tools: Maps Keys Codes Bridges

Dia 22 de julho, é a data em que se celebra o festival de Maria Madalena. Talvez poucos saibam que esse dia é dedicado a ela.

As festividades acontecem na basílica de Maria Madalena, localizada em Vézelay, na França e atrai até hoje muitos peregrinos nessa data.

Lá está uma imagem de Maria Madalena, e em seu rosto corre uma lágrima que, segundo Margaret Satarbird, é um lembrete do seu papel de noiva despojada chorando o seu amado morto.

Segue abaixo informações extraídas do livro “ O Anuário da Grande Mãe”, de Mirella Faur:

Antiga celebração de Maria Madalena, na França. Nesta data mulheres de todos os lugares peregrinavam a uma gruta e, diante de um altar, pediam à Santa que lhes ajudasse a arrumar namorados ou maridos. Segundos os evangelhos Gnósticos, Maria Madalena era a companheira de Jesus, conhecida como Maria Lúcifer, na acepção correta deste nome (Lúcifer como doador da luz). Após a morte de Jesus, Maria Madalena tornou-se a líder dos Gnósticos, competente e respeitada, até que o Apóstolo Paulo proibiu a participação das mulheres na Igreja para liderar, oficiar ou ensinar, transformando a igreja aberta de Jesus em uma instituição patriarcal e exclusiva. Madalena foi morar na França, perto de Marselha. Lá se estabeleceu em uma gruta, levando uma vida eremita, curando e ajudando pessoas. A gruta onde Maria Madalena morava costumava abrigar antigos rituais de fertilidade dedicados à Deusa.
Na Anatólia, festival dedicado à Arinna, deusa da luz e do dia.

 

Elevemos nossas preces à Rainha!

Om Maria cheia de Graça,
A Senhora é conosco!
Bendita Sois Vós manifestada em cada mulher,
Benditos São e serão sempre
os frutos do nosso ventre sagrado.

Divina Maria, Deusa Mãe,
Rogai por nós, filhas da Deusa
Agora que é a hora
da concepção
da geração
e da manifestação
do amor e da vida na Terra.

Assim É.

 

 

Rosacruz: Guardiães do Saber Oculto

guardiao

A irmandade mística que pode ter suas raízes no Egito antigo e se espalhou pelo mundo pregando a busca do conhecimento, a tolerância religiosa e a harmonia entre os homens de bem.

Poucas sociedades precisaram tanto do segredo para sobreviver como a Rosacruz. Na Idade Média, enquanto a Inquisição jogava na fogueira quem ousasse questionar os dogmas católicos, os integrantes da confraria se reuniam a fim de penetrar nos mistérios religiosos mais profundos. Para isso, recorriam a fontes diversas: gnosticismo (que buscava o conhecimento à margem do que dizia a Igreja), cabala (misticismo judaico), esoterismo islâmico, filosofia, mitologia egípcia, astrologia e alquimia.

Era com esse repertório tão vasto que os rosacrucianos acreditavam ser possível sair das trevas da ignorância e caminhar rumo à sabedoria. Diziam que o autoconhecimento era a chave para a “paz do indivíduo” e, a partir dela, o bem-estar da humanidade. Até hoje, os grupos que se dizem herdeiros da Rosacruz pregam a tolerância religiosa, a harmonia e a paz. O que ninguém sabe direito é como essa sociedade surgiu.

ROSENKREUZ

Não faltam teorias para a origem da ordem. Uns dizem que ela foi criada em Alexandria, no Egito, no ano 46, quando o sábio gnóstico Ormus e seus seguidores foram convertidos ao cristianismo. Outros afirmam que a Rosacruz surgiu no século 17, no vácuo da Reforma Protestante. De acordo com a lenda mais popular, no entanto, seu criador foi o monge Christian Rosenkreuz (ou Frater C.R.C.), nascido na Alemanha em 1378. Aos 16 anos, Rosenkreuz viajou ao Oriente Médio e estudou artes ocultas com mestres muçulmanos. Ao voltar para a Alemanha, construiu a Spiritus Sanctum (“Casa do Espírito Santo”), para celebrar seus rituais secretos.

Rosenkreuz teria morrido em 1484, aos 106 anos, mas sua tumba só foi encontrada 120 anos depois – o que motivou a retomada das atividades da Rosacruz, agora sob a liderança do pastor luterano Johann Andrae. Foi ele quem publicou 3 manifestos que mencionaram a ordem pela primeira vez: Fama Fraternitatis Rosae Crucis (1614), Confessio Fraternitatis (1615) e Núpcias Químicas de Christian Rosenkreuz (1616). Os textos tiveram enorme impacto entre os europeus e não demorou para que os rosacrucianos se espalhassem pelo Velho Mundo.

Para as fraternidades modernas que se dizem herdeiras da Rosacruz, não importa se Rosenkreuz realmente existiu. O importante é o valor simbólico dessa história. Suas andanças pelo mundo, incorporando elementos de várias tradições, aludem à chamada Religião Universal da Sabedoria. Ser cristão, por exemplo, iria além de seguir a figura bíblica de Jesus: faria parte da busca do conhecimento oculto e esotérico.

Outro fato interessante é que o grau 18 da maçonaria é o Cavaleiro Rosacruz. Não se trata de mera coincidência: nos séculos 17 e 18, maçons e rosacrucianos trocaram muitas figurinhas. Eles buscavam uma sociedade tolerante, livre de dogmas e que pudesse se aperfeiçoar à medida que os homens ficassem mais sábios. A estrutura das duas fraternidades também era similar. Mas havia diferenças importantes: a Ordem Rosacruz enveredava pelo cristianismo e por caminhos místicos, enquanto a maçonaria se guiava pelo pensamento racional.

“No século 18, a Rosacruz fazia rituais de admissão usando diversos símbolos. Um deles era um globo de vidro num pedestal que tinha 7 degraus e era dividido em duas partes, representando a luz e a escuridão”, diz Sylvia Browne, autora do livro Sociedades Secretas. “E também usavam 9 copos, simbolizando qualidades masculinas e femininas.”

Segundo a pesquisadora, a Rosacruz contava com o Colégio dos Invisíveis, espécie de fonte de informação por trás do movimento. Seus integrantes acreditavam que o significado do Universo estava explicado no símbolo da ordem. “Como a flor que brota no meio da cruz, os seres humanos deveriam desenvolver a capacidade de amar de forma irrestrita, compreender as leis que regem o mundo e agir por meio da intuição e da inteligência amorosa do coração.”

HERDEIROS

Hoje, diversas sociedades se declaram descendentes da confraria inicial. Entre elas, a Fraternidade Rosacruz de Max Heindel, a Fraternitas Rosacruciana Antiqua e a Antiga e Mística Ordem Rosa Cruz (Amorc). A julgar pelo que cada uma diz em seu site na internet, todas procuram despertar o potencial interior do ser humano pela busca da verdade.

A Amorc do Brasil, localizada em Curitiba, garante que seu método de orientação para o autoconhecimento “está à disposição de toda pessoa sincera e de mente aberta”. Já a Fraternitas Rosacruciana, com sede no Rio, afirma que sua finalidade é “buscar a felicidade sem distinção de castas, cor, sexo, nacionalidade ou condição social”.

 

Passado nebuloso

A história da Rosacruz segundo a lenda mais popular

1394 – Rosenkreuz vai ao Oriente Médio para estudar artes ocultas com mestres muçulmanos.

1484 – O fundador da Rosacruz morre na Alemanha (segundo a lenda, aos 106 anos de idade).

1604 – A tumba de Rosenkreuz é encontrada, levando ao ressurgimento da ordem.

1614-1616 – Johann Andrae publica manifestos rosacrucianos, os primeiros documentos a citar a ordem.

Séc. 18 – Maçons e rosacrucianos se aproximam enquanto a ordem se espalha por toda a Europa.

Séc. 20 – Grupos como a Amorc declaram-se herdeiros dos segredos acumulados pela Rosacruz original.

Para saber mais:  Sociedades Secretas – Sylvia Browne, Prumo, 2008

Por: Eduardo Szklarz

CONJURAÇÕES PARA DEFESA PSÍQUICA E ATAQUE ASTRAL

Imagem

As conjurações servem para nos defendermos no astral e, quando estivermos no mundo astral, verificar se conversamos realmente com um mestre nesta dimensão, pois existem entidades vestidas e disfarçadas de santidade.

As conjurações servem para o mundo astral, porém acabam repercutindo em outras dimensões, como no etérico e até no físico, sendo utilizado antes de realizarmos uma prática, para criar um círculo mágico de proteção, ao nos deitarmos antes de dormir etc.

Lembrando: toda prática deve ser feita “sempre” com Positividade, Concentração, Imaginação e Fé na Divindade, unidas em vibrante harmonia.

Cântico do Belilin

(entregue ao Mestre Samael por um Anjo da Força, chamado Anjo Aroch, ou simplesmente Anjo Belilin)

(por 3 vezes seguidas)

Belilin, Belilin, Belilin
Ânfora de Salvação
Quizera estar junto a Ti
O materialismo não tem força junto a mim
Belilin, Belilin, Belilin

(3x)
Pai meu, Deus meu, eu te suplico com todo o meu coração e com toda a minha alma, para que ordenes ao meu Intercessor-Elemental para que ele trace o círculo mágico de proteção ao redor do meu corpo (do meu quarto, de minha casa etc.).

Deve-se imaginar o elemental ao redor do corpo, ou do quarto, ou da casa, criando o círculo de proteção, nos sempre pedimos ao nosso Pai que ordene porque nós, com nossa porcentagem de Consciência, não temos ainda nenhuma autoridade sobre nossas partículas do Ser, como no caso do Iintercessor Elemental (ou Anjo da Guarda Elemental).

É importante que, sendo o círculo semi-etérico, qualquer animal pode quebrá-lo, assim, ao realizarmos um círculo no nosso quarto, e estando a janela aberta, um pássaro entra, o círculo já foi quebrado, isso ocorre também com qualquer pessoa que entra ou sai do lugar onde foi traçado o círculo de proteção.

No astral, devemos realizar a Conjuração de Júpiter, toda a vez que invocarmos um mestre, para termos certeza que estamos diante dele. Evocamos qualquer mestre com profundo respeito, intensa devoção e suprema humildade, usando a fórmula que nós dá o mestre Samael.

Invocação de um Mestre no Astral

O VM Samael nos dá uma fórmula para invocar um mestre no astral, ele dá o exemplo do anjo Adonai, mas como ele fala que atenderá ao chamado a quem quiser invocá-lo, aqui está a petição.

Estando conscientes que estamos em astral, com profundo respeito, intensa devoção e suprema humildade, invocaremos o V.M. Arcanjo Samael:

Samael! Vinde até aqui. Vinde até aqui. Vinde até aqui.
ANTIA…DA-UNA…SASTASA… Samael, Samael, Samael … AAAAAAOOOOOOMMMMMMM… Samael, Samael, Samael …

Continuaremos invocando o mestre, com o coração, até que ele chegue, quando ele chegar, devemos ser objetivos, compreender que o nível de Consciência nosso é pequeno, devemos conjurá-lo com toda força para sabermos se é realmente um mestre ou um demônio disfarçado. Aí, suplicaremos ajuda…

Conjuração de Júpiter

Com a mão direita apontando como mostra a figura e a esquerda no plexo solar como mostra a outra figura abaixo, devemos realizar com suprema força a conjuração de Júpiter, imaginando saírem labaredas de fogo da mão estendida em direção ao indivíduo que estamos conjurando no astral:

Em NOME DE JÚPITER
Pai dos Deuses
Eu te conjuro:
TE VIGOS COSSILIM!

Repete-se três vezes com muita força e imaginação, se o indivíduo fugir fulminado, é óbvio que era um adepto da loja negra disfarçado, se ficar sem nada ocorrer, é um verdadeiro mestre, os mestres gostam quando os discípulos os conjuram, isto mostra que o discípulo está lutando para Despertar a Consciência. Então, desta forma, podemos receber conhecimentos aos pés dos mestres e nós proteger contra os tenebrosos.

Conjuração da Semente Crística

Klimmmmmmmmmmmm

Klim… Krishnaya… Govindaya… Gopijana… Vallabhaya… Suáha…

Imagem

O Venerável Mestre Samael Aun Weor afirma que quando mantralizamos a palavra sagrada Klim, desce das dimensões inefáveis do Cristo Cósmico, do Fogo Divino, uma luz esplendorosa e indescritível.

Então, devemos mentalizar ao nosso redor uma poderosa luz branca, alva, que nos protege, como uma parede de aço ao nosso redor, e criando uma campo de energia harmoniosa no ambiente em que nos encontramos.

Se possível, pode-se mentalizar também uma Estrela de 5 pontas na cor azul-elétrico em nossa testa ou mesmo no coração. Outra dica importante: caso vejamos alguém (em casa ou na rua) transtornado, desequilibrado e/ou irado, pode-se mentalizar na testa deste indivíduo essa estrela e vocalizar a Conjuração da Semente Crística várias vezes seguidas.

Tenha certeza absoluta que mais cedo ou mais tarde a pessoa (ou pessoas) irá se acalmar, voltando ao estado anterior de relativo equilíbrio psíquico. (Também recomendável para pessoas com desequilíbrios mentais.)

Fonte: Gnose On Line