O caminho do Louco: O processo de Individuação e os 22 arcanos maiores do Tarot

coringa

O Tarot é muito mais do que um jogo. Os 22 Arcanos maiores do Tarot nos contam uma história simbólica sobre o nosso próprio inconsciente, nosso próprio Processo de Individuação, isto é, nosso processo de evolução interior. Compreender os arquétipos presentes em cada carta é compreender várias partes de si mesmo e de sua jornada!

Um dos conceitos base da psicologia analítica é o conceito de arquétipo. arquétipo é um registro simbólico que existe em nosso inconsciente, sobre imagens e símbolos universais na historia da humanidade. Um exemplo: Mãe. Quando falamos a palavra “mãe” já vem milhões de idéias e informações na nossa mente, pois o nosso inconsciente tem uma ideia do que é “mãe”. A mãe é um arquétipo. Não importa se a nossa mãe não foi perfeita, nós com certeza temos um ideal, uma ideia na nossa mente do que é uma mãe perfeita. Da mesma forma existe o arquétipo do herói, do sábio, do rei, da rainha, da mulher bruxa, da mulher princesa, e de tantos outros infinitos ideais.

Jung percebeu que acessar esses arquétipos, através de contos de fada, de filmes, de imagens ou na clínica, ajudava muito o processo de autoconhecimento de uma pessoa, porque através do acesso a essa idéia, a pessoa sai do discurso racional diretamente para o inconsciente. Peça para uma pessoa que você mal conhece falar dela mesma, provavelmente ela vai ficar desconfiada, sem graça, se sentindo exposta. Agora peça para essa mesma pessoa que você mal conhece falar de um personagem de um filme ou de um conto de fada que ela mais gosta. Normalmente a pessoa fala sem problemas, e até se empolga contando detalhes daquele personagem, e assim ela está na verdade falando dela mesma.

Quando nos identificamos com uma historia ou personagem nos identificamos porque existe naquela historia elementos nossos, da nossa personalidade, da nossa vida, que muitas vezes estão inconscientes e aquela historia ou personagem em questão nos chama a atenção e nem sabemos direito porque. crianças fazem muito isso, brincam que “são” os personagens de uma historia. Se observarmos com atenção com certeza essa escolha de “quem são” diz muito sobre quem são de fato e o que sentem.

Por isso o Tarot é uma ferramenta incrível para o trabalho na clínica, os arcanos do Tarot são pura e simplesmente arquétipos, que acessam direto nosso inconsciente. E quando tiramos uma carta ainda estamos trabalhando com um outro conceito Junguiano o da sincronicidade.

Segundo Jung não existem coincidências, mas sim sincronicidades. Se dois eventos acontecem sem uma causa especifica e carregam um significado pessoal, isso é uma sincronicidade e o universo está querendo “falar com você”. Com o conceito de inconsciente coletivo, Jung nos traz a visão de que não estamos totalmente separados do universo, tudo está conectado. E a ampliação da nossa consciência depende desse mergulho dentro desse mundo não racional.

O inconsciente e o consciente existem num estado profundo de interdependência recíproca e o bem-estar de um é impossível sem o bem-estar do outro. Esta percepção talvez seja uma das mais importantes contribuições de Jung para uma nova e mais significativa compreensão da natureza da consciência: Só poderia ser renovada e ampliada, na medida em que a vida exigisse que ela fosse renovada e ampliada, pela manutenção de suas linhas não-racionais de comunicação com o inconsciente coletivo.

Por esse motivo Jung dava grande valor a todos os caminhos não-racionais ao longo dos quais o homem tentara, no passado, explorar o mistério da vida e estimular o seu conhecimento consciente do universo que se expandia à sua volta em novas áreas de ser e conhecer. Essa é a explicação do seu interesse, por exemplo, pela astrologia, e é também a explicação da significação do Tarot.

Ele reconheceu de pronto, como o fez em muitos outros jogos e tentativas primordiais de adivinhação do invisível e do futuro, que o Tarot tinha sua origem e antecipação nos padrões profundos do inconsciente coletivo, com acesso a potenciais de maior percepção à disposição desses padrões. Era outra ponte não-racional sobre o aparente divisor de águas entre o inconsciente e a consciência, que poderia ajudar a ampliar o crescente fluxo de movimento entre a escuridão e a luz.

Simbolicamente o Arcano de numero 0, O Louco, representa cada um de nós, viajando por todo esse mundo, interno e externo, dos outros 21 arcanos. O louco representa o arquétipo do andarilho, que se joga na vida por um impulso que vem da alma, muitas vezes sem saber racionalmente ao certo pra onde essa caminhada vai o levar, apenas sente que deve ir. Quem busca o autoconhecimento, ou na linguagem Junguiana a Individuação, sabe que é exatamente essa a sensação. Mergulhamos em nós mesmos em uma jornada sem volta, num processo que sentimos que precisamos seguir. Muitas vezes somos chamados por outros de loucos, inclusive.

Em alguns baralhos o arcano “O Louco” aparece como “The Fool”, que significa o tolo, essa tolice vem no sentido de ingenuidade, pois esse arcano representa o inicio de uma jornada onde estamos muito animados e empolgados, mas ainda não sabemos o que nos espera. Porém ao fim dessa jornada o tolo se torna o sábio, e é exatamente essa transformação que o autoconhecimento nos proporciona.

O Caminho do Louco é o caminho que todos nós fazemos na vida, dentro e fora de nós. É o “sair da caverna” do Platão, descobrir que existe todo um universo lá fora e uma jornada a seguir, caminhar e descobrir suas maravilhas e terrores. Se observarmos em seqüência todos os arcanos perceberemos que eles contam uma história semelhante à jornada do herói dos contos e mitologias, e assim como na jornada do herói, cada etapa desse caminho fala também sobre nossos processos internos nos deparando com o processo de autoconhecimento no caminhar da vida. Por isso o uso do Tarot dessa forma mais terapêutica é tão eficaz, pois nos ajuda a compreender padrões de comportamento e a nos direcionar na caminhada da vida.

Então boa caminhada para todos os loucos e heróis que seguem o árduo porém recompensador caminho da busca por se “re-conhecer” e simplesmente ser quem você é.

 

Vanessa Martins é formada em Psicanálise Freudiana e Pós Graduada em Teoria e Prática Junguiana na Universidade Veiga de Almeida no Rio. Trabalha com atendimento clínico individual, adulto e infantil, tendo ministrado diversos cursos e workshops no Rio e em Campos.

NOVAMENTE O NATAL – POR DIVALDO FRANCO

NATAL

 

Embora os problemas complexos e desafiadores destes dias, quando as criaturas humanas estamos em aturdimento e conflitos perversos, lentamente se aproxima a data natalina de Jesus.

De alguma forma, a psicosfera terrestre se modifica e suaves esperanças tomam conta de nossas vidas.

Velhas canções de infância ressoam em nossos sentimentos, páginas de ternura que pareciam esquecidas retornam à nossa memória, a magia dos presépios com figuras de barro ou de porcelana, de madeira ou de marfim nos fazem evocar a noite santa de Belém, enfim, cada um de nós sente o doce fenômeno da Manjedoura, que inaugurou um período novo para a Humanidade.

A grandeza daquele Menino incomparável modificou a História, e, por ser tão extraordinária a Sua vida, não coube nos seus fastos, que passaram a ser narrados antes e depois d’Ele.

No Seu anonimato, vivei em modesta região, Nazaré, na parte baixa de Israel, a Galileia, e quando iniciou o Seu ministério, ofereceu conceitos diferentes dos então existentes, lecionando amor e fraternidade como antes ninguém nunca se atrevera a expressar. Não apenas falou, mas viveu a extraordinária existência de desafios e mudanças sociológicas e psicológicas, que O tornaram modelo e guia para os tempos vindouros.

Ninguém que se compare a Jesus!

Acredita-se que Napoleão Bonaparte é o homem mais biografado da humanidade, no entanto, Jesus o suplanta.

É certo que nem todas as biografias são elogiosas ou místicas, muitas delas são críticas e vulgares, o que é natural, porque todos aqueles que ouvem falar sobre Ele nunca mais são os mesmos: amam-nO ou detestam-nO.

O Seu comportamento moral incomoda os frívolos e os odientos, ainda hoje, e os Seus silêncios perturbam os vaidosos e exaltados.

Psicoterapeuta extraordinário, alcançou o estado numinoso, e convivendo com os miseráveis da época, não se tornou mais um deles, antes os ergueu à dignidade e à vitória sobre a própria sombra.

Não poucas vezes, a Sua mensagem foi deturpada ou adulterada propositalmente, para atender a interesses infelizes de homens e mulheres indignos, de dominadores transitórios e perversos, e mesmo assim, à semelhança do ouro que se destaca no cascalho, as Suas palavras são gemas que libertam das paixões inferiores e proporcionam felicidade sem jaça.

Bastam Suas duas frases irretocáveis aplicadas e vividas no comportamento humano e o mundo se tornará melhor, no qual a vida se modificará: “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo” e “Não fazer a outrem o que não gostaria que lhe fosse feito”.

No próximo Natal, busca reviver as Suas lições e aplicá-las na conduta íntima, doméstica, social e comunitária para que todos sejamos harmônicos e ditosos.

DIVALDO P. FRANCO
Professor, médium e conferencista
___________________

Divaldo Franco escreve no jornal A Tarde – Coluna Opinião – às quintas-feiras (quinzenalmente).

Artigo de Divaldo Franco ➤ Publicado no jornal A Tarde, coluna Opinião, em 13/12/2018

CONSCIENCIOLOGIA E PROJECIOLOGIA – A CIÊNCIA DA NOVA ERA

estudio-experiencia-fuera-del-cuerpo

CONSCIENCIOLOGIA

A Conscienciologia é a ciência que estuda a consciência – ser, ego, alma, self, princípio inteligente – e suas diversas formas de manifestação. A consciência é você, um ser vivo autoconsciente que se manifesta em outras dimensões fora da vida humana. O termo conscienciologia vem do Latim: conscientia – com conhecimento e do Grego: logos – estudo.

A Conscienciologia estuda a consciência “inteira”, considerando todos os seus corpos, dimensões e existências, em um enfoque integrado. A consciência é a nossa realidade maior, mais do que a energia e a matéria, outras de nossas realidades. Nossa consciência não é o corpo físico nem um subproduto do cérebro humano. Na realidade, podemos nos manifestar além do corpo humano e, portanto, do cérebro. Esse fato pode ser verificado através das experiências fora do corpo.

A consciência pode se manifestar a partir de 4 estados básicos:

  1. Estado consciencial intrafísico. Corresponde ao estado de consciência na dimensão física, imersa na matéria vitalizada do corpo físico.
  2. Estado consciencial extrafísico. Corresponde ao estado de consciência na dimensão extrafísica, após ter desativado o corpo físico (morte biológica) ou antes do renascimento.
  3. Estado consciencial projetivo. Corresponde ao estado de consciência projetado para fora do corpo físico, aquele em que o indivíduo se encontra temporariamente com seus veículos de manifestação em descoincidência.
  4. Estado de consciência contínua. Corresponde ao estado de consciência completamente lúcido, no qual a pessoa percebe todo o processo de separação dos corpos, a soltura do energossoma, do psicossoma, podendo chegar à soltura do mentalsoma ou à projeção mental.

Para se manifestar a partir desses 4 estados conscienciais básicos, a consciência utiliza seu conjunto de corpos, ou seja, o holossoma:

  1. Soma: corpo humano.
  2. Energossoma: corpo energético.
  3. Psicossoma: corpo emocional.
  4. Mentalsoma: corpo mental.

Na vigília física, esses veículos estão coincididos. Na vida não-física (extrafísica), quando estamos projetados ou no estado extrafísico, ocorre a descoincidência entre esses veículos de manifestação consciencial, levando-nos a nos manifestar em múltiplas dimensões, além da dimensão física.

A consciência é multiexistencial. A vida humana atual é apenas uma dentre as várias existências da consciência. Já vivemos muitas vidas no passado e viveremos muitas outras no futuro. Em Conscienciologia, essa série de existências da consciência recebe o nome de seriéxis.

A base de manifestação de todas as consciências é constituída por 3 componentes indissociáveis, a que denominados de PENSENE: a idéia ou pensamento (PEN), a emoção ou sentimento (SEN) e a energia (ENE).

A consciência penseniza o tempo todo, ou seja, elabora pensamentos e emite energias sadias ou patológicas, conforme seu estado consciencial. Assim, interage emitindo e recebendo pensenes, em qualquer dimensão (física ou extrafísica) em que se encontre. Tal fato reforça a importância de conhecer mais a fundo seu padrão de pensamento, para identificar padrões externos e ser capaz de perceber quais os seus pensenes e quais os dos outros com os quais está interagindo. Daí a importância de promover a higienização ou a profilaxia dos próprios pensenes, para manifestar-se de modo mais sadio e maduro no local ou ambiente onde atua.

A partir dessas abordagens de estudo da consciência, a Conscienciologia oportuniza a potencialização de várias posturas prioritárias à evolução:

  1. Entendimento da indestrutibilidade da consciência.
  2. Vivência de emoções e sentimentos racionalizados.
  3. Melhoria da capacidade de discernimento.
  4. Reconhecimento de si próprio como agente catalisador da evolução de todos.
  5. Organização racional das próprias idéias.
  6. Ampliação do nível de originalidade do seu trabalho pessoal.
  7. Obtenção de um nível máximo de desrepressão.

Especialidades

A Conscienciologia, ciência multidisciplinar e multidimensional, exige análise acurada de suas especialidades e sub-especialidades. O quadro sinóptico a seguir, mostra as interrelações dessas especialidades, considerando como critério de ordenação, a abrangência espacial em 6 Ordens Lógicas. A elaboração do quadro sinóptico constitui-se de maneira análoga a um estudo anatômico, através do qual vamos situando espacialmente cada elemento (especialidade) em relação aos outros (partes) e ao todo (Conscienciologia).

 

QUADRO DE ESPECIALIDADES DA CONSCIENCIOLOGIA
1ª Ordem Lógica 2ª Ordem Lógica 3ª Ordem Lógica 4ª Ordem Lógica 5ª Ordem Lógica 6ª Ordem Lógica
Pensenologia Evoluciologia Experimentologia Parabiologia Parabotânica
Parazoologia
Comunicologia Conviviologia Assistenciologia
Projeciologia Projeciografia
Projeciocrítica
Cosmo-análise
Parapedagogia Infocomunicologia
Holorresomática Intrafisicologia Ressomática
Proexologia
Invexologia
Recexologia
Dessomática
Extrafisicologia Intermissiologia
Parageografia
Paratecnologia
Parassociologia Conscienciocentrologia
Paracronologia Para-história
Consciencioterapia Paraclínica Paraprofilaxia
Parassemiologia
Paraterapêutica
Projecioterapia
Paracirurgia Paranestesia
Parassepsia
Para-hemostasia
Paracicratrização
Holocarmalogia Egocarmalogia
Grupocarmalogia
Policarmalogia
Holomaturologia Conscienciometria Despertologia
Serenologia
Cosmoética
Holossomática Somática Sexossomática Androssomática
Ginossomática
Macrossomática
Holochacralogia
Psicossomática Paragenética
Paraneurologia
Mentalsomática Mnemossomática
Paranatomia
Parafisiologia Parafenomenologia Parapercepciologia Cosmoconscienciologia
Para-regeneração
Parapatologia
Homeostática

PROJECIOLOGIA

A Projeciologia é um subcampo ou especialidade da ciência Conscienciologia, que estuda as projeções da consciência para fora do corpo físico, ou seja, as ações da consciência (ego, self ou personalidade humana) em dimensões não físicas, livre do restringimento do corpo biológico. A ciência Projeciologia também investiga outros fenômenos projeciológicos, tais como: bilocação, clarividência, experiência de quase-morte (EQM), intuição, precognição, retrocognição, telepatia, entre outros. O termo projeciologia vem do Latim, projectio, projeção e do Grego, logos, tratado.

O fenômeno projetivo é relatado desde a Antiguidade nas mais variadas culturas. Vem desde as chamadas iniciações no período Antigo, o culto ao kha do antigo Egito, o homo duplex descrito pelo escritor francês Honoré de Balzac, até a recente denominação, ainda mística, conhecida por desdobramento ou projeção astral.

Hoje, denominado de projeção da consciência ou experiência fora do corpo (out of-the-body experience – OBE), por cientistas e pesquisadores, o fenômeno passou a ser estudado de modo científico, propiciando a autopercepção de que é natural e fisiológico, e de que ocorre com todas as pessoas independente de seu conjunto de valores, credo, raça, sexo, idade, classe social e nível cultural, classificando-se como fenômeno universal.

A ciência Projeciologia foi proposta em 1981, a partir da publicação do livro Projeções da Consciência, de autoria do médico e pesquisador Waldo Vieira, projetor consciente desde os 9 anos de idade. Em 1986, Waldo Vieira publica o tratado Projeciologia – Panorama das Experiências da Consciência Fora do Corpo Humano, hoje (2010), em sua 4ª edição, com 1232 páginas e 2040 referências bibliográficas, sendo considerado uma referência internacional sobre o estudo da projeção consciente.

Pesquisas internacionais indicam que a projeção de modo consciente é alcançada e vivida por milhões de pessoas em todo planeta. Todos nós saímos do corpo, normalmente quando dormimos. No entanto, para a maioria da humanidade, falta lucidez durante a experiência extracorpórea e rememoração do fenômeno projetivo vivenciado. Por essa razão, muitos pensam que a projeção não existe. E por não trazerem dela uma lembrança clara, confundem-na com sonhos.

Sair do corpo humano, com lucidez, é a mais preciosa e prática fonte de esclarecimentos e informações prioritárias acerca dos mais importantes problemas da vida, elucidando-nos sobre quem somos, de onde viemos e para onde vamos.

(Waldo Vieira, Nossa Evolução, 1997)

Diferenças entre sonho e projeção

Nos sonhos, assim como no devaneio, imaginação, alucinação, desequilíbrio mental ou distúrbios psicofisiológicos, não temos controle sobre nossas ações. Entretanto, na projeção consciente, atuamos por nossa própria vontade e determinação. Há várias pesquisas evidenciando as diferenças entre a projeção e esses estados alterados de consciência.

Veículos de manifestação

A consciência utiliza vários corpos ou veículos para se manifestar. O corpo humano ou soma é o veículo mais denso, percebido pelos sentidos físicos, quando estamos acordados, durante a vigília, momento em que todos os veículos de manifestação encontram-se em coincidência, encaixados uns nos outros. Durante o sono ou através de relaxamento físico, por exemplo, estes corpos se desencaixam ou entram em descoincidência, possibilitando à consciência, projetar-se para fora do corpo físico e atuar a partir de outro corpo, mais sutil ou menos denso, o corpo emocional ou psicossoma. O corpo físico permanece dormindo, inanimado, vazio de consciência, sendo mantido apenas pelas funções autônomas biológicas. Enquanto isso, a sede da nossa consciência que se encontra no psicossoma, pode atuar livremente, em outras dimensões. Há ainda a manifestação através do corpo mental ou mentalsoma, sinalizando maior nível de lucidez e racionalidade e menos emotividade. A manifestação da consciência é também bioenergética, quando utiliza o corpo energético ou energossoma, responsável pela saúde e vitalidade. Ao conjunto de todos esses corpos (soma, psicossoma, mentalsoma e energossoma) denominamos holossoma.

Durante uma projeção consciente, é comum a pessoa sentir-se flutuando acima de seu corpo físico. Outras vezes, ela é capaz de ver o próprio corpo adormecido no leito. O projetor também pode sentir vibrações agradáveis em todo corpo, sons ou ruídos dentro da cabeça, sensação de queda-livre, incapacidade temporária de mover o corpo físico, sensação de inchar ou inflar como balão e vários outros sinais correlacionados ao fenômeno projetivo.

Tipos de projeções

Quase sempre nossas projeções ocorrem de modo involuntário ou espontâneo, durante o sono natural ou até mesmo durante um simples cochilo. Em outros casos, a projeção consciente ocorre em situações críticas, como é o caso das Experiências de Quase-Morte (EQMs), tipo de projeção forçada, compulsória ou patológica, causada por traumas orgânicos, acidentes físicos e comum a pacientes terminais ou sobreviventes da morte clínica.

A Projeciologia propõe técnicas projetivas para que o interessado obtenha projeções conscientes voluntárias, sadias e planejadas. Esse tipo de projeção oferece maiores índices de lucidez e rememoração, auxilia o indivíduo a desenvolver o autodomínio emocional, a perder o medo da morte, a repensar seus valores, a dinamizar o autoconhecimento e a entender sua real procedência.

 

 

IIPC – Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia – Educação e Pesquisa

http://www.iipc.org

5 Tipos De Invejosos Que Você Convive E Não Sabe

inveja_010218

A inveja, um dos sete pecados capitais, é um ressentimento profundo e muitas vezes hostil em relação a uma pessoa que possui algo que desejamos. É um anseio pelo que alguém tem e ao mesmo tempo a sensação de incapacidade de alcançá-lo.

A inveja é um sentimento corrosivo que pode arruinar a vida. Carrie Fischer resumiu brilhantemente com estas palavras: “A inveja é como beber veneno e esperar que a outra pessoa morra”.

Pesquisadores do Instituto Nacional de Ciências Radiológicas do Japão verificaram que existem 5 tipos de pessoas invejosas com quem convivemos todos os dias e não sabemos que são invejosas. São elas:

1. O invejoso sarcástico

Aparentemente, essa pessoa assume tudo com um falso senso de humor, mas na realidade eles estão camuflando sua inveja por meio do sarcasmo, que é a sua arma favorita para fazer os outros se sentirem mal. Não atacará diretamente, mas sempre estará atento para destacar suas fraquezas ou erros com um risinho cínico. É sua maneira inferiorizar. E se você perguntar o que ele quis dizer, ele se dirá ofendido e chateado.

2. O invejo direto

Esta pessoa ataca diretamente, para fazer você se sentir mal. Normalmente, eles são pessoas inseguras, com personalidade agressiva, que se preocupam em detalhar suas falhas para tentar que você não possa aproveitar o que você conseguiu. Eles permanecem atentos, de modo que em qualquer pequeno sinal de sucesso, eles vão lembrá-lo de uma falha ou erro prévio. Este tipo de pessoa invejosa é muito cuidadosa, porque não hesita em colocar obstáculos no seu caminho, para evitar que você tenha mais sucesso. Essa pessoa é aquela que não se faz de rogada em demonstrar que ela merecia o prêmio mais que você. É uma pessoa tóxicaum vampiro psíquico que você precisa afastar de sua vida.

3. O invejoso pessimista:

Seu objetivo é minar sua moral e arruinar sua motivação. Qualquer notícia positiva que você dá, a pessoa refuta, recorrendo a argumentos negativos com o único objetivo de desanimá-lo: ‘olha não quero te desanimar não, mas…”.

4. O invejoso competitivo

Esta pessoa não lhe dirá nada abertamente, mas sua atitude e ações dizem tudo. Ele está ciente de cada detalhe de sua vida, para imitá-lo. Se você comprar um celular, corre para comprar outro que é muito melhor, se você mudar o sofá, compra um maior e de melhor qualidade. É o tipo de pessoa invejosa que nunca está satisfeita com o que ela tem, então ela continuamente quer o que você tem. O mais incrível neste tipo de pessoa é que ela diz que você comprou primeiro porque ela havia dito que ia comprar. Ela dirá que você tem inveja dela.

5. O invejoso à espreita

Esta pessoa também não lhe contará nada, pelo menos não no início. Ele se torna uma espécie de voyeur silencioso, que vê sua vida passar com inveja. Quando você finalmente comete um erro, falha ou algo dá errado, ela aproveita esse momento de queda para colocar o dedo na ferida. Sua frase favorita é: “Eu lhe havia dito!” – frase típica de uma pessoa cruel disfarçada de boa pessoa. Acredite, existem pessoas cruéis disfarçadas de boas pessoas que escondem uma profunda satisfação em fingir consolo quando na verdade quer lhe humilhar para que ela se sinta superior.

Se você detectar esse 5 tipos de invejosos em sua vida se afaste deles. São pessoas tóxicas não somam. Descubra os talentos de uma pessoa tóxica e não sofra mais.

Publicado originalmente em Rincón de la psicologia – Tradução e livre adaptação de Portal Raízes

SERÁ QUE JÁ SOMOS CIVILIZADOS?

Christophe_Kiciak-Nimbypolis-1 (1)

Uma das coisas mais fundamentais para ser sempre lembrada é que estamos vivendo numa sociedade hipócrita.
Uma vez foi perguntado a um grande filósofo: “O que você acha da civilização?”
O filósofo respondeu:
“É uma boa idéia, mas alguém precisa transformar a idéia em realidade.”

A civilização ainda não aconteceu. É um sonho futuro. As pessoas que estão no poder – político, religioso, social – estão no poder porque a civilização ainda não aconteceu. Um mundo civilizado, um homem amadurecido não necessita de nenhuma nação. Todas essas fronteiras são falsas. Não necessita de nenhuma religião, pois todas essas teologias são simples ficções.

As pessoas que estão por milhares de anos no poder – os sacerdotes, os políticos, os bilionários – possuem todos os poderes para impedir a evolução. Mas a melhor maneira de fazer isso é convencer o homem de que ele já é civilizado. Convencer o homem que ele já é um ser humano, que você não necessita passar por nenhuma transformação, que isso é desnecessário.

Milhões de pessoas morreram acreditando que a civilização já aconteceu. Assim a primeira coisa que quero que vocês compreendam é que ainda somos bárbaros, não seres humanos, pois somente bárbaros podem fazer o que estivemos fazendo por milhares de anos.

– Osho, em “Sermons in Stones” # 26 –

POR QUE DEMORAMOS TANTO PARA BUSCAR AUXÍLIO?

62

Este texto começou se formando hoje de manhã na minha mente, logo após o despertador tocar.

Muitas vezes acontece desta forma, depois das viagens astrais feitas pelo meu espírito durante a noite. Neste processo natural, para qualquer pessoa, o corpo permanece em sono profundo, porém, o espírito se projeta pelo universo infinito da criação.

A projeção astral* é uma dádiva e quando bem estudada, praticada a seu favor e ao próximo (encarnado ou desencarnado) é possível expandir ainda mais seus conhecimentos, muitas delas sendo possíveis somente no plano astral, pois na matéria temos um conjunto de limitações.

Então, voltando para ao tema, sai de casa e fui escrevendo o texto na minha agenda dentro do metrô até um dos consultórios onde atendo como Psicoterapeuta Reencarnacionista e Holístico aqui em São Paulo/Capital e me perguntava:

Até quanto a nossa cultura ocidental e a brasileira influenciam esta nossa atitude de postergar ao máximo a procura de auxílio?

Ainda hoje, em alguns países e regiões no oriente e ocidente, as pessoas buscam auxílio em momentos “bons” de suas vidas, é claro com o objetivo de melhorar ainda mais suas vidas.

Elas culturalmente estão sempre buscando melhorar, mesmo quando a vida anda bem. Sabem que é sempre possível ir além e, em casos de situações difíceis, recorrem mais rapidamente ao auxílio.

Quando penso nesta forma de agir, eu me lembro de um ditado popular brasileiro que diz: “Se melhorar estraga”. Bom não é preciso dizer nada, pois ele já diz tudo.

Na minha visão o mais assertivo seria dizer desta forma: “Se melhorar, melhora“. É desta forma que eu penso e pratico na minha vida nestes últimos anos. Parece ser uma mudança boba, mas quando entendida, compreendida e principalmente praticada em essência faz uma grande diferença na vida.

No nosso dia a dia precisamos ficar atentos (lúcidos) para a forma que pensamos, ainda mais como sentimos e principalmente como colocamos em prática tudo isso. Isso é viver com lucidez e isso faz a diferença em tudo.

Em nossa vida, não precisamos viver como nos disseram que teríamos que fazer, sentir e agir.

Não precisamos ir ao extremo da tristeza, dor, mágoa, raiva, ódio, isolamento, angústia, depressão e assim vai… Todos nós temos a capacidade de superar nossos próprios desafios, mas quando essa máxima não é possível (por qual razão que seja), o que eu faço por mim?

Tudo vai depender o quão lúcido (atento) está vivendo sua vida. Não precisamos ir aos limites, porém, em nossa na cultura brasileira (de deixar tudo para o último instante) isso acontece muito.

E quando esta situação extrema acontece, por mais incrível que pareça, é uma dádiva, pois este é o momento de despertar da Alma e então tudo acontece. A vida é a maior de todas as escolas e Deus é absoluto, eles mostram que também pela dor (ilusão) é possível edificar (reformar) a vida. Essa é a vontade do espírito, pois ele ainda está precisando resolver uma série de situações nesta vida (encarnação) e não pode ficar inerte.

Sempre há tempo de mudar, virar a chave e seguir em frente. É preciso principalmente “querer”.

Ninguém vence na vida sozinho, por isso vivemos em sociedade e precisamos tanto um dos outros.

Precisar de auxílio não é vergonha e muito menos sinal de fraqueza (para ninguém), muito pelo contrário, é sim entender os planos Divinos que estamos inseridos, todos se unindo, auxiliando uns aos outros e todos superando seus desafios para crescermos juntos.

Quando você melhora, indiretamente você melhora sua família, no trabalho, com os amigos, no bairro, cidade e assim sucessivamente. Uma espécie de corrente do bem para um mundo melhor.

Quer um mundo melhor? Mude primeiro o seu mundo interno!

Primeiro você, para depois poder melhorar tudo ao seu redor.

Melhorar sempre, todos nós estamos “destinados” a evoluir, não tem como escapar desta lei Divina, chamada de Evolução.

Só não adormeça e caia na inércia, pois a jornada ficará muito mais longa do que realmente precisaria ser.

Pense, reflita e pratique (VIVA).

Amor
Determinação
Confiança

Jefferson L. Orlando

* Projeção Astral ou da Consciência:

É a capacidade parapsíquica, natural e espontânea que todo ser humano tem de projetar sua consciência para fora do corpo físico quando o metabolismo e as ondas cerebrais se encontram baixas, isto ocorre quando estamos dormindo, em estados de coma, meditação profunda… Essa experiência tem recebido diversas nomenclaturas, dependendo das doutrinas ou correntes de pensamento que a mencionem: Viagem Astral (Esoterismo), Projeção Astral (Teosofia), Experiência Fora do Corpo (Parapsicologia), Desdobramento, Desprendimento Espiritual ou Emancipação da Alma (Espiritismo), Projeção do Corpo Psíquico ou Emocional (Rosacruz), Projeção da Consciência (Projeciologia) etc.

Sair do corpo é algo natural, fazemos todos os dias sem saber, mas a projeção lúcida (sair do corpo e se lembrar da experiência) requer responsabilidade e ética espiritual. É impossível desencarnar devido a uma viagem astral, mas é possível morrer sem nunca ter se projetado com lucidez.

Devemos tirar proveito destas experiências fora do corpo como aprender sobre a vida nos planos mais sutis, doar nosso amor em trabalhos de assistência extrafísica, servir aos Mentores Espirituais como humildes auxiliares, além de podermos encontrar com parentes e pessoas amadas que já desencarnaram.

Viagem astral não é turismo astral! Requer ética espiritual, maturidade e amor ao próximo.

** Jefferson L. Orlando Psicoterapeuta Reencarnacionista, Escritor, Apresentador do Programa Sol do Everest (Canal YouTube), Colunista do site Somos Todos Um (Stum) e Horóscopo Virtual (UOL), Palestrante, Ministrante, Outorgado pela Magia Divina, Projetor Extrafísico e Espiritualista. Seu objetivo é auxiliar as pessoas a encontrarem seu caminho de evolução consciencial, desenvolvimento da espiritualidade, missões de alma, prosperidade e alegria plena em suas vidas. Reside e atende em São Paulo/SP com a Psicoterapia Reencarnacionista, Regressão Terapêutica (Método ABPR – Conduzido pelos Mentores Espirituais) e Bioenergético Anímico-Mediúnico através das Mandalas pela Magia Divina.

Site: www.soldoeverest.com.br
Canal Youtube: www.youtube.com/soldoeverest
E-mail: jefferson@soldoeverest.com.br

O CARNAVAL DOS HUMANOS

carnaval

Como já era sabido, num momento tão difícil quanto esse que temos passado mundialmente, pouca gente pensa em sacrificar o carnaval e o desperdício na zona em favor do respeito e da fraternidade. Preferem apagão, racionamento de água, reclamar do aumento das contas e transmitir DST com todo o prazer. Como os humanos são previsíveis, vão dizer: “Vamos aproveitar a vida porque nesse mundo só tem sofrimento”. Também é previsível que não admitam que o sofrimento que passam deriva justamento desse comportamento doentio. Querem mudança, mas só querem. Não fazem nada pra mudar. Vivem na merda, mas querem ser servidos como reis. Querem tudo, mas não dão nada. Preferem adorar a deuses do que ser o melhor que podem nesse curto período de existência que lhe restam. Quer saber, é isso mesmo que os humanos merecem: controle, escassez e sofrimento, porque é só isso o que plantam em suas experiências. Para todos os outros que vão se libertando dos padrões idiotas, plantam a abundância, o serviço ao mundo e a colaboração, tanto em tempos de fartura como em de crise, eu digo: não, vocês não são humanos. Vocês já transcenderam tudo isso.

Por: Julio Licks

https://www.facebook.com/julio.licks