O QUE VOCÊ SENTE ?

10846235_779962525410531_3808071148216675115_n

Lembre-se do sorriso mais gostoso que já deu!

O que você sente?

Lembre-se daquele dia que você se divertiu até cansar!

O que você sente?

Lembre-se do abraço mais carinhoso que já recebeu!

O que você sente?

Lembre-se também do abraço mais carinhoso que já deu!

O que você sente?

Lembre-se daquela descoberta mais legal que já teve!

O que você sente?

Lembre-se daquele grande desafio que já foi superado!

O que você sente?

Lembre-se daquela grande amizade!

O que você sente?

Lembre-se daquela ajuda que foi feita com tanto amor!

O que você sente?

Abra seu coração!

Deixe aquela estrela mais brilhante dar o ar da graça em sua vida!

Pense, Sinta e principalmente Realize!

Permita que Deus atue na sua vida não para você, mas através ti!

Jefferson L. Orlando

*Jefferson L. Orlando – Psicoterapeuta Reencarnacionista, Escritor, Apresentador do Programa Sol do Everest (Canal YouTube), Colunista do site Somos Todos Um (Stum) e Horóscopo Virtual (UOL), Palestrante, Ministrante, Outorgado pela Magia Divina, Projetor Extrafísico e Espiritualista. Seu objetivo é auxiliar as pessoas a encontrarem seu caminho de evolução consciencial, desenvolvimento da espiritualidade, missões de alma, prosperidade e alegria plena em suas vidas. Reside e atende em São Paulo/SP com a Psicoterapia Reencarnacionista, Regressão Terapêutica (Método ABPR – Conduzido pelos Mentores Espirituais) e Bioenergético Anímico-Mediúnico através das Mandalas pela Magia Divina.

Site: www.soldoeverest.com.br
Canal Youtube: www.youtube.com/soldoeverest
E-mail: jefferson@soldoeverest.com.br

POR QUASE CONEXÃO

611

A fluidez da vida combina com leveza, com desapego, com ternura, uma certa delicadeza que beira o minimalismo nos gestos.

A tecnologia traz facilidades, aproxima as pessoas, em sua multiplicidade de proezas,  ajuda a esconder sentimentos, emoções, o coração, aumenta a produtividade de vazios. Mascara relações e conflitos internos.

Pressa e conflitos nos afastam do sagrado, do templo onde a divindade arde.

Tocamos pouco uns aos outros,preferimos cutucadas, trocamos poucos sorrisos, acariciamos e cuidamos de máquinas dedicando-lhes o toque, como substitutos de pessoas, soa um pouco desagradável dizer isso, parece constrangedor, coisa de gente ultrapassada que reage ao novo.

Dispomos de aplicativos para quase tudo, trocamos o incerto das tentativas  por um processo garantido de êxito, mesmo que superficial, nossa pele endurece fácil.

Aprendemos rapidamente a esconder, a sofisticar desculpas, a ausentarmos de nossa própria presença.

E o outro vira uma curtida na postagem, uma marcação, um e-mail de poucas linhas, com palavras abreviadas, quase que códigos secretos para iniciados no admirável mundo novo.

Ainda há alguns que religiosamente escrevem ou lêem poesia, ouvem ou compõem músicas.

Ainda há alguns que plantam ervas aromáticas e temperos, semeiam jardins e cuidam para que as flores anunciem a primavera, a mesma primavera que o transito deixa sem cor, a mesma primavera que nem sabemos mais quando vem tanto o calor.

A preguiça impede o abraço, o medo nos desapropria do contato, nos tornamos férteis e frenéticos solitários em comunidades da rede digital, comunicando com caracteres, bytes e bites, tudo que aos poucos o coração desconhece plenamente.

Marcos AD Pereira

SAIBA COMO A ESPIRITUALIDADE LEVA AO SUCESSO

3

Muitas pessoas ficam em dúvida sobre seguir o lado racional ou emocional para ter sucesso na vida. Na verdade, os dois são importantes se usados com equilíbrio e inteligência. Isso porque nossa mente é constituída de múltiplas inteligências que nos alavancam em direção aos nossos objetivos e metas. A seguir, confira três tipos de inteligência que fazem as pessoas prosperarem na vida.

saiba mais

Inteligência intelectual: ela é conhecida como QI (Quociente de Inteligência). É a inteligência analítica pela qual elaboramos conceitos e fazemos ciência. Com ela organizamos o mundo e solucionamos problemas objetivos, o tal do racional.

Inteligência emocional: popularizada pelo psicólogo e neurocientista de Harvard David Goleman, com seu conhecido livro A Inteligência Emocional (QE = Quociente Emocional). Mostra que somos, primariamente, seres de paixão, empatia e compaixão, e só em seguida, de razão. Quando combinamos QI com QE conseguimos nos mobilizar a nós e a outros. Vamos ao encontro de nossos objetivos.

Inteligência espiritual: descoberta recentemente, essa é prova empírica de sua existência. Segundo cientistas, existe nos seres humanos um tipo de inteligência pela qual não só captamos fatos, ideias e emoções, mas percebemos os contextos maiores de nossas vidas e totalidades significativas. Ela nos torna sensíveis a valores, a questões ligadas a Deus e à transcendência. É chamada de inteligência espiritual (QEs = Quociente espiritual), porque é característico da espiritualidade captar totalidades e se orientar por visões transcendentais.

“É uma terceira inteligência, que coloca nossos atos e experiências num contexto mais amplo de sentido e valor, tornando-os mais efetivos. Ter alto quociente espiritual (QS) implica ser capaz de usar o espiritual para ter uma vida mais rica e mais cheia de sentido, adequado senso de finalidade e direção pessoal. O QS aumenta nossos horizontes e nos torna mais criativos. É uma inteligência que nos impulsiona. É com ela que abordamos e solucionamos problemas de sentido e valor. O QS está ligado à necessidade humana de ter propósito na vida. É ele que usamos para desenvolver valores éticos e crenças que vão nortear nossas ações. De que modo essas pesquisas confirmam suas ideias sobre a terceira inteligência? Os cientistas descobriram que temos um “ponto de Deus” no cérebro, uma área nos lobos temporais que nos faz buscar um significado e valores para nossas vidas. É uma área ligada à experiência espiritual”, explica a física quântica Danah Zohar, que identifica dez qualidades (*) comuns às pessoas espiritualmente inteligentes.

Isso explica como, trabalhadas em harmonia, essas três inteligências podem nos ajudar a ter sucesso na vida. Pense nisso.

Por : Franco Guizzetti